Pular para o conteúdo principal

Entre os 17 e os 18

Talvez os 17 ou os 18tão sejam as melhores idades pra se ter. É diferente da pré-adolescência, de quando você ainda não tem sua própria personalidade e precisa ousar em roupas e acessórios que não tem muito a ver com você. Com 17, você sabe que não é emo, punk ou patricinha. 

E começa a perceber (pelo menos a maioria percebe) que as grandes mudanças não estão na cor do seu cabelo, mas sim nas atitudes. Você não sabe quem é, mas não significa que não procure descobrir.

É a idade de sofrer influências e isso pode não ser algo ruim. É a idade de se encontrar. A sua maior confusão é não saber se você é um adolescente ou um adulto. E não é a quantidade de responsabilidades que irão te dizer isso.

Aos 17/18, você reencontra amigos e inimigos de infância, e os descobre como pessoas. A grande maioria melhora e você se surpreende em como as coisas mudaram. Você visita lugares que frequentava e leva um susto ao ver como eles parecem menores ou menos assustadores.

Este talvez seja o começo do fim. Onde você se vê soltando uma frase que o seu pai ou a sua mãe diria. Ou quando você percebe que seus pais não são tão mais assustadores ou maus quanto costumavam ser. E você se surpreende em fazer algo errado com culpa na consciência. Não sei qual é o método que eles (pais) utilizam, mas funciona. 

É o momento que você teme que acabe ou que melhore até que você não possa mais aguentar. São novos caminhos e desta vez, não tem ninguém pra andar na nossa frente e dizer se é seguro. Nós temos que descobrir por nós mesmos. 

O que não deixa de ser assustador. Mas se aprendermos a apreciar mais a beleza da incerteza, dominaremos o medo sobre a dúvida. E o caminho não parecerá tão obscuro e imobilizador quanto é o medo. Será melhor, mais complicado talvez. Mas com uma vista de tirar o fôlego no final disso tudo (Bom, pelo menos é o que me dizem).

Texto: Carol Chagas
Foto: We Heart It

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

espero que nunca.

Desde os 6 anos, sempre vi a morte perto demais. Nada de substancial me aconteceu nesta idade ou no restante dos anos em relação ao assunto, mas sempre senti que era questão de tempo, mesmo que o tempo em questão acontecesse somente dentro da minha cabeça. Assim como uma grande amiga,  não sei direito o que é intuição e o que é medo.  Frequentemente, essas duas linhas se cruzam e eu não consigo distingui-las muito bem. Pelo sim, pelo não, tento ignorar. Mas sempre imagino que aquela é a exceção da regra quase impraticável que se pratica na minha mente. Vai acontecer, eu sinto, tenho certeza. E nada de ruim acontece. Por mais que eu pense, repense e, de longe, vibre com isso. Não me leve a mal, não torço para que coisas ruins aconteçam, muito menos para que eu esteja certa, não tenho tanto apego à razão, como pudemos ver em todas as linhas acima. Eu  apenas minto para mim mesma e me acredito até que a vida se prove contrária . E para minha angústia, mas felicidade, ela sempre se prova.

até certo ponto.

Eu não sabia bem o porquê. Mas aquela cena não saía da minha cabeça. A garota que traía o namorado - logo eu, que nunca namorei direito pra trair - e o mandava embora de sua vida por acreditar que não merecia alguém assim. Saudável. Um amor daqueles tranquilos que faz a vida ficar boa. Melhor até do que ela podia suspeitar.  Ela o mandava embora com pressa, como se fosse óbvio para os dois que aquela relação não tinha mais um lugar para ser. A feição dele passava da surpresa para o choque conforme ela dizia fragmentos do que queria. Eram ideias soltas sem uma narrativa que as amarrasse ou um cuidado que as despejasse de maneira mais palatável.  O episódio havia contado sua história familiar e, por mais que suas escolhas fossem questionáveis, elas eram compreensíveis. Mas Mia - nome da personagem da série a qual eu estava assistindo - tinha motivos. Por mais que ela própria não entendesse. O narrador e os roteiristas da série faziam questão de nos explicar.  Mas confesso que eu não sabi

A Verdade Sobre os Desenhos

Como qualquer criança normal, eu passei minha infância assistindo desenhos (ainda assisto haha). Só que quando a gente cresce, passa prestar mais atenção ainda neles. Outro dia, eu descobri alguns significados ocultos de um desenho que eu assistia, e resolvi pesquisar MAIS sobre outros. Veja abaixo. 7 Monstrinhos O desenho era exibido na Tv Cultura. E quem era fã mesmo, tinha até a música de abertura decorada hehe. Tudo muito lindo, mas e se eu te dissesse que ele era uma crítica contra o nazismo? Isso mesmo. De acordo com algumas teorias, os 7 monstrinhos representariam a visão dos alemães sobre os judeus.  Eles eram vistos como monstros, possuíam o nariz bem grande, e olha só que coincidência: No campo de concentração, eram identificados por Números. Um dos personagens usava um pijama listrado bem idêntico ao uniforme que os judeus que eram presos tinham que usar, e eles também moravam no sótão (local onde os judeus se escondiam).  Bob Esponja Para o nosso que

Trilha Sonora: Simplesmente Acontece

Não sei se vocês perceberam, mas eu meio que amei o filme Love, Rosie (Sim, prefiro o título original). Mesmo já tendo feito um post sobre ele , não pude deixar de comentar a Trilha Sonora.  A história se passa durante muitos anos e a música evolui com ela. Nem preciso dizer que achei esse fato fantástico. Além disso, os nomes variam entre artistas famosos como Beyoncé a outros não tão conhecidos assim, mas incríveis igualmente.  Ah, tem até composição instrumental, que super combina com os momentos das cenas. Resolvi escolher as minhas favoritas e colocar aí embaixo para vocês ouvirem e amarem tanto quanto eu estou amando (:  Algumas delas você só vai gostar mesmo se assistir o filme haha (já falei como é bom lembrar de uma cena ao ouvir uma música).  Lily Allen - Littlest Things Elliott Smith - Son of Sam Lily Allen - Fuck You Kodaline - High Hopes KT Tunstall - Suddenly I See Beyoncé - Crazy in Love G

Você sabe o que é Guilty Pleasure?

Há alguns anos atrás, vi a seguinte expressão em uma série (tá, foi em Glee): Guilty Pleasure . A tradução livre explica que ela se refere a algo que você gosta, mas que não é considerada como algo legal/bacana na sociedade, f azendo com que você se sinta meio culpado/envergonhado por isso.  Confesso que eu sou a rainha do Guilty Pleasure , gosto de tanta coisa que é considerada boba, que olha, a lista é grande. Desde cantores pop a séries consideradas ruins. O legal de esconder esses gostos da maioria das pessoas é encontrar gente que te entenda (te aceite haha) e que compartilhe a mesma paixãozinha secreta com você.  E olha, quando isso acontece, é extremamente libertador poder ouvir (sem vergonha) aquela música que todo mundo zoa :)  Pensando nisso tudo, resolvi fazer uma lista de coisas que se encaixam nessa expressão e assumir (nem que seja aqui no blog) algumas delas. Quem sabe um dia eu não assumo na vida real também? haha. Musicais Desde a primeira vez que

TOP 5: Séries Que Se Passam na Praia

As férias já estão quase no final, mas ainda temos a companhia do verão por um tempinho (até dia 20 de Março). E as praias costumam ser o local favorito da galera nos dias de calor. Como eu vivo em uma cidade litorânea há 19 anos, confesso que nem dou mais tanta bola.  Mas nem eu mesma escapo dela nos dias muito quentes. Se você não mora em nenhum lugar que tenha mar (♥), não se preocupa! Fiz uma lista com 5 séries que se passam no litoral, só pra você matar a vontade fazendo maratonas :)  Desde criança, me identifiquei muito com todas elas, tirando o fato de que eu não ia a todo momento como os personagens :P Mas isso são detalhes. Bora assistir os seriados? ;) The O.C. Em The O.C., Ryan Atwood é um adolescente que passa por muitos problemas. Logo no início da série, ele é preso por causa de seu irmão, que foi pego roubando um carro. Ryan acaba sendo solto graças a um advogado do estado.  Este sente pelo garoto e o leva para viver em sua casa. O que o menino não

vivendo de pix do futuro.

Enquanto participava da corrente da vez e escrevia 5 fatos sobre mim, comecei a pensar também sobre como eu não estava pronta pra vida. Não sabia andar de bicicleta, muito menos dirigir, não tinha um emprego fixo, nem conhecido um milhão de lugares nacionais, internacionais então, nunca tinha ido nem ao Paraguai.  Não morava sozinha, ainda sem conseguir me sustentar por completo. Não tinha certeza nenhuma sobre a carreira que queria pra mim e até muito recentemente, não comia legumes.  A sensação que eu tinha era a mesma de um jogador dentro do BBB, que acorda pro jogo aos 45 do segundo tempo, e que prestes a ser eliminado ou a correr perigo, entende que precisa jogar um jogo.  Não que eu esteja acordada, mas depois de uma longa temporada apática, sinto que estou um pouco mais consciente em relação ao que acontece ao meu redor. Pela primeira vez em muito tempo, eu consigo enxergar algum tipo de futuro.  Mas essa sensação que, para mim é boa, de começar a pensar e a entender o que eu po

Trilha Sonora: 10 Coisas Que Eu Odeio em Você

Se tem algo que eu adoro em filmes é a trilha sonora. Todo filme que assisto, reparo nas músicas. E quando alguma me conquista, corro direto para o Youtube mais próximo em busca da sequência inteira. E, de certa forma, mesmo que passe muito tempo após eu as ter conhecido, a sensação é sempre a mesma. Trilha Sonora de filmes são melhores do que músicas com clipes. Você conhece a história, os personagens, e de algum jeito, tudo vem à tona quando você as ouve. Por que eu estou falando tudo isso? Porque decidi compartilhar com vocês o meu amor por músicas de filmes, séries e até mesmo livros. Para inaugurar a TAG Trilhas Sonoras do blog, escolhi o filme 10 Coisas Que Eu Odeio Em Você (Sim, o título é gigante. E desta vez, a culpa não é da tradução hehe). Se alguém aí não assistiu, clica aqui e seja feliz haha. E pra quem já viu, relembre esta trilha sonora incrível (: Ah, e uma curiosidade sobre o filme: é uma releitura de A Megera Domada de Shakespeare.  I Want You to Want