Pular para o conteúdo principal

Dona Praia Grande.

Os escritores que me perdoem, mas nunca fui dessas que enaltece a terra natal. Pelo menos não até sair dela.

Praia Grande é lugar onde as pessoas se criam dentro de prédios e não vão na praia na frequência que creem os de fora. Usa-se chinelo com qualquer roupa do armário e se sente bem arrumado. Vemos o mar ser só nosso e de uns poucos de abril a novembro e nos sentimos invadido de dezembro a março. 

É fazer amigos de fora e esperá-los nos fins de semana e feriados prolongados. É descobrir no verão ter mais parentes do que você fazia ideia. É ter melhores amigos por anos e não saber de cor o nome dos pais ou a cor da parede de seus quartos. É pegar conchinhas e sentir culpa logo em seguida - por prejudicar o meio ambiente conscientemente - ao se ouvir "essa branquinha é a última" mais uma vez.

É andar no calçadão com suas pessoas favoritas ou até mesmo sozinha. É marcar um sorvetinho com um amigo e esse ser o melhor reencontro.

Desanimamos com a garoa, colocamos casaco fazendo vinte e quatro graus. Não pisamos nos parquinhos da praia por medo de morrer e queremos morrer de verdade em julho quando é nublado o tempo todo e a cidade está completamente vazia.

Ser de Praia Grande é ir ao Shopping, num barzinho da Mallet ou na faculdade mais popular em Santos e encontrar todo mundo que você já conheceu um dia. É perceber que pessoas de diferentes círculos sociais da sua vida se conhecem. 

É descobrir que o sonho do praia-grandense não é ver a neve - como todo bom brasileiro -, mas ter uma sombra pra chamar de sua. Já que aqui não temos muitas árvores. Me desculpem os turistas, mas apesar de ficar bonitinho em fotos, o coqueiro é o mesmo que um poste nos dias de calor.

Passar as férias numa cidade em que você costumava morar o ano todo tem seus privilégios. Numa avenida em que moradores - vestindo traje social saem do ar condicionado para almoçar - transitam do ladinho de turistas - em roupas de banho voltando da praia á espera de uma ducha - você pode ser os dois.

- Dá pra arrumar um emprego de verão, trabalhar no negócio da família, entregar folhetos na rua principal da cidade.
- Dá pra ir á praia ao meio-dia, comer milho no prato e pular as 7 ondinhas o verão todo.

Mas no fundo, você sabe que não é nenhum deles.

Você conhece o lugar que vende o sorvete mais barato, sabe os horários menos tumultuados da padaria do bairro e está ciente das estatísticas de assalto. Conhece as ruas mais perigosas e não se arrisca a usar joias e celulares desnecessariamente - pros amigos que perguntam, tá aí a causa da ausência de vida instagrâmica na minha cidade -. 

Mas sente que está ficando pra trás quando lojas são substituídas, prédios levantados e conhecidos são esquecidos. Parece que ela se torna menos sua e você menos dela, por consequência.

A gente vai embora de Praia Grande achando que nunca mais vai voltar, mas retornar logo em seguida. Pela família, por amor ou pela paz de espírito.

Aqui vivi dezenove anos e, cada vez que retorno, me redescubro.

Vou a lugares - alô show de verão e feirinha hippie - em que eu não costumava me permitir ir por serem de "turistas". Aceito de braços abertos as consequências da umidade no meu corpo e cabelo. Vejo amigos distantes ficarem próximos bem rapidinho de novo. Percebo a relação com meus pais se tornar mais livre e branda. Me dou tempo.

Nasci em Santos - uma constante nas crianças de Praia Grande nos anos 90 -, mas foi aqui que minha infância, adolescência e primeiras experiências fizeram morada. Assim como meu coração.

Praia Grande é aquela tia de 52 anos que ainda ama receber todo mundo em volta da mesa e faz você esquecer os problemas quando passa pelo portal da cidade. A maresia pode até enferrujar algumas de suas coisas favoritas, mas pode passar o tempo que for, a alma continua intacta. A dela e a nossa.

Obrigada por ter sido palco de tanta coisa. Feliz aniversário, senhora! ♥
--------------------------------------------------------------




Foto e texto: Carol Chagas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é Guilty Pleasure?

Há alguns anos atrás, vi a seguinte expressão em uma série (tá, foi em Glee): Guilty Pleasure . A tradução livre explica que ela se refere a algo que você gosta, mas que não é considerada como algo legal/bacana na sociedade, f azendo com que você se sinta meio culpado/envergonhado por isso.  Confesso que eu sou a rainha do Guilty Pleasure , gosto de tanta coisa que é considerada boba, que olha, a lista é grande. Desde cantores pop a séries consideradas ruins. O legal de esconder esses gostos da maioria das pessoas é encontrar gente que te entenda (te aceite haha) e que compartilhe a mesma paixãozinha secreta com você.  E olha, quando isso acontece, é extremamente libertador poder ouvir (sem vergonha) aquela música que todo mundo zoa :)  Pensando nisso tudo, resolvi fazer uma lista de coisas que se encaixam nessa expressão e assumir (nem que seja aqui no blog) algumas delas. Quem sabe um dia eu não assumo na vida real também? haha. Musicais Desde a primeira vez que

p(r)eso.

Os prédios estavam mais altos do que o de costume e ultimamente, eu me sentia menor do que nunca. Me sentia perto o bastante de fazer coisas que quero, mas infelizmente, tão distante quanto era possível. Não haviam forças disponíveis para me restaurar e ao mesmo tempo, eu me sentia presa e predadora do que quer que estivesse à solta. Me sentia rodeada, mas não me via ali, presente. Enxergava pouco e para minha surpresa, não eram somente as luzes ao longe que estavam nebulosas. Nos últimos dias, nada mais parecia estar definido. E isso me definhava aos poucos. Me comia viva sem pedir troco, me dessensibilizava ao ponto de eu me sensibilizar com migalhas. Eu não era mais minha ou de quem quer que fosse. Isso me frustrava. Mais uma vez, me via ali estirada ao chão, como quem pede ao mundo um pouco de carinho. Sempre perto de aniversários. Ninguém continuava tendo respostas para as coincidências que apareciam em determinados meses. Será que esse ciclo torto sempre voltaria a se repetir? Eu

espero que nunca.

Desde os 6 anos, sempre vi a morte perto demais. Nada de substancial me aconteceu nesta idade ou no restante dos anos em relação ao assunto, mas sempre senti que era questão de tempo, mesmo que o tempo em questão acontecesse somente dentro da minha cabeça. Assim como uma grande amiga,  não sei direito o que é intuição e o que é medo.  Frequentemente, essas duas linhas se cruzam e eu não consigo distingui-las muito bem. Pelo sim, pelo não, tento ignorar. Mas sempre imagino que aquela é a exceção da regra quase impraticável que se pratica na minha mente. Vai acontecer, eu sinto, tenho certeza. E nada de ruim acontece. Por mais que eu pense, repense e, de longe, vibre com isso. Não me leve a mal, não torço para que coisas ruins aconteçam, muito menos para que eu esteja certa, não tenho tanto apego à razão, como pudemos ver em todas as linhas acima. Eu  apenas minto para mim mesma e me acredito até que a vida se prove contrária . E para minha angústia, mas felicidade, ela sempre se prova.

nublagem momentânea.

Desde minha segunda terra natal, condicionei o milkshake de uma franquia de Minas Gerais a ser minha bebida do pensar. Aquela que quando a gente escolhe e tá sozinha, o pensamento voa. Traz o longe para perto e manda pra quilômetros tudo que está ao nosso redor. Quando voltei a morar na cidade em que cresci, vi no milkshake uma pequena ponte entre meus dois mundos. Como se o canudinho, agora de plástico, antes de papel, pudesse me teletransportar para distâncias mais distantes do que pensei ser possível e com o bônus de não me gerar as famosas dores nos joelhos que nascem das horas encolhidas no semi leito. Hoje pedi o copo pequeno de costume e por alguns minutos, voei enquanto olhava pra janela que dava pra rua principal de um dos centros da cidade. Eu já não morava mais ali, mas também não morava em outro lugar.  Os tempos andavam confusos. Minhas vontades misturadas. A insegurança batendo mais forte em portas que se abriam com uma maior frequência do que eu gostaria. O clima nublado

Fotografando #11

Foto: We Heart It Apesar de Novembro sempre ter sido considerado por mim o melhor mês do ano (já que eu faço aniversário nessa época), ele foi difícil. Em muitos aspectos. Pra falar a verdade, estou feliz que ele acabou, assim alimento aquela falsa ilusão de que dá pra começar de novo.  Mas vamos parar com o mimimi, porque também aconteceram coisas boas: me apresentei com o meu grupo de teatro e a peça não poderia ter sido melhor <3 (até fiz um vídeo mostrando os bastidores ), visitei Curitiba (acabei assistindo o show da Pitty hehe) e gravei vlog falando sobre o que eu aprendi com o teatro .  Ah, também consegui mobilizar uma galerinha para assinar uma consulta pública á respeito de um remédio que o governo planeja parar de distribuir no SUS (meu vô é um dos pacientes que sobrevive graças ao medicamento) e sou eternamente grata a todos que ajudaram . Sério ♥  E confesso que ver essa mobilização virtual por uma causa me fez pensar. Durante boa parte do mês (e na verd

A Verdade Sobre os Desenhos

Como qualquer criança normal, eu passei minha infância assistindo desenhos (ainda assisto haha). Só que quando a gente cresce, passa prestar mais atenção ainda neles. Outro dia, eu descobri alguns significados ocultos de um desenho que eu assistia, e resolvi pesquisar MAIS sobre outros. Veja abaixo. 7 Monstrinhos O desenho era exibido na Tv Cultura. E quem era fã mesmo, tinha até a música de abertura decorada hehe. Tudo muito lindo, mas e se eu te dissesse que ele era uma crítica contra o nazismo? Isso mesmo. De acordo com algumas teorias, os 7 monstrinhos representariam a visão dos alemães sobre os judeus.  Eles eram vistos como monstros, possuíam o nariz bem grande, e olha só que coincidência: No campo de concentração, eram identificados por Números. Um dos personagens usava um pijama listrado bem idêntico ao uniforme que os judeus que eram presos tinham que usar, e eles também moravam no sótão (local onde os judeus se escondiam).  Bob Esponja Para o nosso que

Trilha Sonora: Simplesmente Acontece

Não sei se vocês perceberam, mas eu meio que amei o filme Love, Rosie (Sim, prefiro o título original). Mesmo já tendo feito um post sobre ele , não pude deixar de comentar a Trilha Sonora.  A história se passa durante muitos anos e a música evolui com ela. Nem preciso dizer que achei esse fato fantástico. Além disso, os nomes variam entre artistas famosos como Beyoncé a outros não tão conhecidos assim, mas incríveis igualmente.  Ah, tem até composição instrumental, que super combina com os momentos das cenas. Resolvi escolher as minhas favoritas e colocar aí embaixo para vocês ouvirem e amarem tanto quanto eu estou amando (:  Algumas delas você só vai gostar mesmo se assistir o filme haha (já falei como é bom lembrar de uma cena ao ouvir uma música).  Lily Allen - Littlest Things Elliott Smith - Son of Sam Lily Allen - Fuck You Kodaline - High Hopes KT Tunstall - Suddenly I See Beyoncé - Crazy in Love G

Os Signos dos Cantores

Música é uma das melhores coisas da minha vida e acredito que na de muita gente também. Ela está presente em diversos lugares e nas mais diversas línguas, mas na última semana ela está ainda mais em evidência aqui no Brasil. Sim, estou falando do Rock in Rio ♥  Inspirada nessa vibe musical, decidi fazer um post sobre os cantores, mas de um jeitinho diferente. Quem me conhece, sabe que eu amo astrologia e, geralmente, acho alguma semelhança entre pessoas do mesmo signo.  Então, para celebrar a minha mania de procurar o aniversário dos cantores, resolvi reunir muitos deles em um post :) Lembrando que podem existir diferenças nos perfis que eu descrevi, dependendo do ascendente e da posição das casas , okay? Agora vai lá, ler :P Áries Os arianos são conhecidos por iniciar, colocar em prática coisas que ainda não foram realizadas. E que, por esse motivo, sempre são lembrados por seus feitos.  Áries é o tempo de começos e isso fica ainda mais evidente ao observarmos