sábado, 18 de fevereiro de 2017

Tudo passa, até a dor da saudade.



Entrei no ônibus. O fone já estava no ouvido e as lágrimas já nasciam dos olhos. Mas as músicas e o motivo do choro eram dessa vez diferentes. A saudade que eu sentia transbordava. De dentro pra fora. Uma mágoa da vida surgia em mim. 

Eu que sempre julguei o drama alheio, precisei pagar minha língua com a dor que crescia no peito. E não foi fácil, não. Enquanto saía da cidade, lembrava de cada memória vivida e bem aproveitada. 

É engraçado como quando cheguei aqui, a minha vontade era fugir. E hoje, eu só queria ficar. Mais um dia, uma semana ou até quando o sentimento continuasse a existir. Eu que sempre gostei de deixar partes minhas nas ruas, me vi querendo levar cada uma delas comigo. Pra onde quer que eu fosse. 

A gente sempre acha que se conhece e sabe as respostas para as perguntas do mundo. E isso realmente dá certo por um tempo. Até a gente mudar por dentro. 

Voltei pra "casa" mais simples e descomplicada do que já fui na vida. Mas também mais quebrada. Eu sei que a cola bastão da minha escrivaninha e o tempo vão ajeitar tudo isso. Como tudo na vida, uma hora vai passar. 

Mas hoje, uma semana depois do nosso último beijo, ainda dói. Algumas vezes mais, outras menos. Mas a saudade sempre fica mais forte quando algo me lembra você. Uma música que já foi o toque do seu celular, uma comida que a gente pensou em comer junto ou sua série de filmes favorita. 

Sempre me apeguei a detalhes e os relacionados a você minha memória não me deixa esquecer. As minhas aulas foram adiadas e a cor da nossa amizade também. Nessa manhã de sábado, a vista da minha janela parece menos viva, apesar do incrível tom de azul que o céu usa hoje. Acho que a minha visão ainda está meio prejudicada sem você nela. 

A tua voz tá aqui, porém o restante está desaparecendo aos poucos. Mas acho que é assim que as coisas funcionam. Em algum momento, a gente aprende a lidar com tudo. E enquanto não aprendemos, seguimos escrevendo, vivendo e amando. A vida, as pessoas e a nós mesmos.   

Texto e Foto: Carol Chagas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pode comentar que eu não mordo :P

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...