Pular para o conteúdo principal

O que aprendi com um filme ruim

A visita a Jundiaí estava ótima, até então. Como o boliche estava fechado, resolvemos ir ao cinema, (tentar) ver um filme. O filme, especificamente. Já tínhamos tentado vê-lo no dia anterior e eu já havia tentado ver na minha cidade, mas não tinha dado certo.

Acho que o negócio era comigo hehe. Ao irmos a bilheteria, não conseguimos comprar no horário que queríamos e acabamos indo na última sessão. Ainda assim, era alguma coisa. Até que um lampejo de ideia passou por todas nós.

"Por que a gente não assiste um filme nesse meio tempo?". Parecia algo racional, certo. Só iríamos esperar meia hora, e depois o assistiríamos. Sabe quando você tem uma intuição de que não vai dar certo? Então.

Pra começar, o filme era mexicano. Nada contra, eu apenas não conhecia nada, além de novelas. E eu as achava ruins (com algumas exceções). O filme começou como comédia. Aquelas bem fracas, sabe? Com piadinhas sem graças, mas isso meio que me deixou aliviada. Comédias fracas duram pouco tempo. Iludida!

O filme estava se prolongando a uma parte que eu achei que seria a mais rápida da história. Aquela parte que geralmente conta como tudo aconteceu, para depois vir o desenrolar do filme. Mau sinal!

A primeira parte havia terminado. Ufa! Agora sim, a história vai acontecer. HAHA iludida. A história aconteceu, esta parte (por se passar nos Estados Unidos) havia se transformado em um filme americano. 

Pra chacoalhar a mesmice da trama, ocorreu a parte que todos nós esperávamos, a parte que a sinopse prometia, e que deixava o público com vontade de vê-lo. E é aí que ele se transformou em um drama. Doença terminal, disputa judicial, fuga para outro país e morte.

Eu estava certa em estar desconfiada. O filme mexicano era na verdade, uma verdadeira novela mexicana. E elas fazem isso, criam fatos que surpreendem o público ou que despertem alguma emoção nele. Mesmo que não faça nenhum sentido pra história.

Não significa que ele está errado. Nem que eu estou certa. Assim que as luzes se acenderam, ouvi um menino soltar um: "Que Bosta!". O mais triste era que eu concordava com ele. Mas será que de tanto assistir filmes americanos, eu não estava contaminada?

Tão acostumada a este estilo, que não conseguia achar graça em mais nenhum outro? Seria esse o motivo de nós reclamarmos tanto do cinema nacional? Eu nunca vou saber. Só sei que aquelas duas horas foram as mais longas da minha vida. E que aquele filme foi o único, o qual eu cogitei sair da sala.

Após esta sessão, nós fomos assistir ao filme que nós originalmente íamos ver. Este era menos apelativo e mais engraçado em si, mas também americano. O que só fez com que eu pensasse na ideia de ter sido tão americanizada, que já estava programada a gostar deste filme. 

Mesmo que ele durasse duas horas e aparecessem doença terminal, disputa judicial, fuga para outro país e morte. Garanto que ninguém iria suspirar "Que bosta!" no final do filme.

Obs: Não vou mencionar o nome do filme, porque isso seria sacanagem. 


Texto: Carol Chagas
Foto: We Heart It

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é Guilty Pleasure?

Há alguns anos atrás, vi a seguinte expressão em uma série (tá, foi em Glee): Guilty Pleasure. A tradução livre explica que ela se refere a algo que você gosta, mas que não é considerada como algo legal/bacana na sociedade, fazendo com que você se sinta meio culpado/envergonhado por isso. 

Confesso que eu sou a rainha do Guilty Pleasure, gosto de tanta coisa que é considerada boba, que olha, a lista é grande. Desde cantores pop a séries consideradas ruins. O legal de esconder esses gostos da maioria das pessoas é encontrar gente que te entenda (te aceite haha) e que compartilhe a mesma paixãozinha secreta com você. 

E olha, quando isso acontece, é extremamente libertador poder ouvir (sem vergonha) aquela música que todo mundo zoa :) Pensando nisso tudo, resolvi fazer uma lista de coisas que se encaixam nessa expressão e assumir (nem que seja aqui no blog) algumas delas. Quem sabe um dia eu não assumo na vida real também? haha.
Musicais
Desde a primeira vez que assisti a um musical (foi Hi…

Trilha Sonora: Simplesmente Acontece

Não sei se vocês perceberam, mas eu meio que amei o filme Love, Rosie (Sim, prefiro o título original). Mesmo já tendo feito um post sobre ele, não pude deixar de comentar a Trilha Sonora. 
A história se passa durante muitos anos e a música evolui com ela. Nem preciso dizer que achei esse fato fantástico. Além disso, os nomes variam entre artistas famosos como Beyoncé a outros não tão conhecidos assim, mas incríveis igualmente. 
Ah, tem até composição instrumental, que super combina com os momentos das cenas. Resolvi escolher as minhas favoritas e colocar aí embaixo para vocês ouvirem e amarem tanto quanto eu estou amando (: 

Algumas delas você só vai gostar mesmo se assistir o filme haha (já falei como é bom lembrar de uma cena ao ouvir uma música). 

Lily Allen - Littlest Things
Elliott Smith - Son of Sam

Lily Allen - Fuck You

Kodaline - High Hopes
KT Tunstall - Suddenly I See
Beyoncé - Crazy in Love Gilbert O' Sullivan - Alone Again (Naturally)
Mimi & The Mad Noise Factory - Get Me Bac…

Os Signos dos Cantores

Música é uma das melhores coisas da minha vida e acredito que na de muita gente também. Ela está presente em diversos lugares e nas mais diversas línguas, mas na última semana ela está ainda mais em evidência aqui no Brasil. Sim, estou falando do Rock in Rio ♥ 
Inspirada nessa vibe musical, decidi fazer um post sobre os cantores, mas de um jeitinho diferente. Quem me conhece, sabe que eu amo astrologia e, geralmente, acho alguma semelhança entre pessoas do mesmo signo. 
Então, para celebrar a minha mania de procurar o aniversário dos cantores, resolvi reunir muitos deles em um post :) Lembrando que podem existir diferenças nos perfis que eu descrevi, dependendo do ascendente e da posição das casas, okay? Agora vai lá, ler :P
Áries
Os arianos são conhecidos por iniciar, colocar em prática coisas que ainda não foram realizadas. E que, por esse motivo, sempre são lembrados por seus feitos. 

Áries é o tempo de começos e isso fica ainda mais evidente ao observarmos os exemplos de cantores do si…

A Verdade Sobre os Desenhos

Como qualquer criança normal, eu passei minha infância assistindo desenhos (ainda assisto haha). Só que quando a gente cresce, passa prestar mais atenção ainda neles. Outro dia, eu descobri alguns significados ocultos de um desenho que eu assistia, e resolvi pesquisar MAIS sobre outros. Veja abaixo.

7 Monstrinhos O desenho era exibido na Tv Cultura. E quem era fã mesmo, tinha até a música de abertura decorada hehe. Tudo muito lindo, mas e se eu te dissesse que ele era uma crítica contra o nazismo? Isso mesmo. De acordo com algumas teorias, os 7 monstrinhos representariam a visão dos alemães sobre os judeus. 

Eles eram vistos como monstros, possuíam o nariz bem grande, e olha só que coincidência: No campo de concentração, eram identificados por Números. Um dos personagens usava um pijama listrado bem idêntico ao uniforme que os judeus que eram presos tinham que usar, e eles também moravam no sótão (local onde os judeus se escondiam). 
Bob Esponja Para o nosso querido Bob Calça Quadrada, tem…

Trilha Sonora: 10 Coisas Que Eu Odeio em Você

Se tem algo que eu adoro em filmes é a trilha sonora. Todo filme que assisto, reparo nas músicas. E quando alguma me conquista, corro direto para o Youtube mais próximo em busca da sequência inteira.
E, de certa forma, mesmo que passe muito tempo após eu as ter conhecido, a sensação é sempre a mesma. Trilha Sonora de filmes são melhores do que músicas com clipes. Você conhece a história, os personagens, e de algum jeito, tudo vem à tona quando você as ouve.

Por que eu estou falando tudo isso? Porque decidi compartilhar com vocês o meu amor por músicas de filmes, séries e até mesmo livros. Para inaugurar a TAG Trilhas Sonoras do blog, escolhi o filme 10 Coisas Que Eu Odeio Em Você (Sim, o título é gigante. E desta vez, a culpa não é da tradução hehe).

Se alguém aí não assistiu, clica aqui e seja feliz haha. E pra quem já viu, relembre esta trilha sonora incrível (: Ah, e uma curiosidade sobre o filme: é uma releitura de A Megera Domada de Shakespeare. 
I Want You to Want Me
The Weakness in …

Vestibular: Os Melhores Sites de Exercícios

Sim, eu sei que faz muito tempo que eu não faço posts sobre Vestibular, mas vamos mudar isso! Depois que tranquei a faculdade, tenho tido mais tempo para me dedicar ao estudo, o que consequentemente me fez resolver mais exercícios. 
Como tenho um número limitado de livros com questões, resolvi procurar uma boa parte na internet. Parece fácil, mas existem poucos sites realmente bons nisso. Por esse motivo, decidi fazer uma lista com os melhores links que encontrei por aí sobre o assunto ;) 
Brasil Escola
Costumo comparar o Brasil Escola com o nível 1 de um vídeo-game. As questões são ligeiramente mais fáceis e contém, além do gabarito, resoluções passo-a-passo dos exercícios (quando a matéria é da área de exatas). Gosto de usar o site nas matérias que eu tenho MUITA dificuldade (leia-se matemática, física e química). 

É legal, porque como as questões são mais "fáceis", acabam priorizando os conceitos de determinada matéria, sabe? Desse jeito, você acaba prestando atenção em detal…

Livro: Pollyanna

Sinopse O livro Pollyanna conta a história de uma garota de seis anos, que acabou de perder o pai. Ele era pastor e ela foi criada por ele e pelas freiras, já que sua mãe já havia morrido. Após ficar órfã, um dos ajudantes da igreja localiza uma tia distante da garota, irmã de sua mãe. O único problema é que Miss Polly, sua tia, é uma mulher amargurada e ranzinza que a aceita em sua casa, para cumprir seu dever de irmã, apenas por esse motivo. A história conta como a garota pode superar até a maior das dificuldades em sua vida.

O livro foi escrito em 1913, e conta de uma forma encantadora o otimismo inabalável de Pollyanna. Acredito que a história seja atemporal, é um livro de auto-ajuda com uma história cativante. A garota de apenas seis anos sabe o valor da vida, e de importante lições. Coisa que muita gente morre sem descobrir.

Recomendo o livro para todas as idades. Pollyana cativa o leitor com seu Jogo do Contente, onde precisamos encontrar o lado de bom em todas as situações negati…

como é que a gente se despede da gente?

Quando Ted, de How i met your mother, está prestes a deixar Nova York na nona (e infinita) temporada, ele faz uma lista de coisas que ele sentirá saudade de fazer na cidade. E ao listar as últimas vezes, sua amiga Lily lhe dá um conselho:

“Você escreveu todas essas coisas para as quais dizer adeus. Mas há tantas coisas boas. Por que não dizer adeus às coisas ruins? Diga adeus a todas as vezes que você se sentiu perdido. Para todas os ‘nãos’, ao invés dos ‘sims’. Para todos os arranhões e contusões. Para toda a mágoa. Diga adeus a tudo aquilo que você realmente deseja fazer pela última vez”.
Quem já se mudou, sabe. Em meio a pilhas de coisas pra fazer e arrumar, parece que tudo vem acompanhado pelo gosto do que não iremos provar novamente. A rua onde a gente não vai mais se perder ou a biblioteca a qual não iremos mais pra pensar. A pessoa do outro lado do corredor a quem não mais recorreremos em tempos de novidades e dificuldades ou até mesmo o parque onde a gente já nasceu de tantas fo…