Pular para o conteúdo principal

O que aprendi com um filme ruim

A visita a Jundiaí estava ótima, até então. Como o boliche estava fechado, resolvemos ir ao cinema, (tentar) ver um filme. O filme, especificamente. Já tínhamos tentado vê-lo no dia anterior e eu já havia tentado ver na minha cidade, mas não tinha dado certo.

Acho que o negócio era comigo hehe. Ao irmos a bilheteria, não conseguimos comprar no horário que queríamos e acabamos indo na última sessão. Ainda assim, era alguma coisa. Até que um lampejo de ideia passou por todas nós.

"Por que a gente não assiste um filme nesse meio tempo?". Parecia algo racional, certo. Só iríamos esperar meia hora, e depois o assistiríamos. Sabe quando você tem uma intuição de que não vai dar certo? Então.

Pra começar, o filme era mexicano. Nada contra, eu apenas não conhecia nada, além de novelas. E eu as achava ruins (com algumas exceções). O filme começou como comédia. Aquelas bem fracas, sabe? Com piadinhas sem graças, mas isso meio que me deixou aliviada. Comédias fracas duram pouco tempo. Iludida!

O filme estava se prolongando a uma parte que eu achei que seria a mais rápida da história. Aquela parte que geralmente conta como tudo aconteceu, para depois vir o desenrolar do filme. Mau sinal!

A primeira parte havia terminado. Ufa! Agora sim, a história vai acontecer. HAHA iludida. A história aconteceu, esta parte (por se passar nos Estados Unidos) havia se transformado em um filme americano. 

Pra chacoalhar a mesmice da trama, ocorreu a parte que todos nós esperávamos, a parte que a sinopse prometia, e que deixava o público com vontade de vê-lo. E é aí que ele se transformou em um drama. Doença terminal, disputa judicial, fuga para outro país e morte.

Eu estava certa em estar desconfiada. O filme mexicano era na verdade, uma verdadeira novela mexicana. E elas fazem isso, criam fatos que surpreendem o público ou que despertem alguma emoção nele. Mesmo que não faça nenhum sentido pra história.

Não significa que ele está errado. Nem que eu estou certa. Assim que as luzes se acenderam, ouvi um menino soltar um: "Que Bosta!". O mais triste era que eu concordava com ele. Mas será que de tanto assistir filmes americanos, eu não estava contaminada?

Tão acostumada a este estilo, que não conseguia achar graça em mais nenhum outro? Seria esse o motivo de nós reclamarmos tanto do cinema nacional? Eu nunca vou saber. Só sei que aquelas duas horas foram as mais longas da minha vida. E que aquele filme foi o único, o qual eu cogitei sair da sala.

Após esta sessão, nós fomos assistir ao filme que nós originalmente íamos ver. Este era menos apelativo e mais engraçado em si, mas também americano. O que só fez com que eu pensasse na ideia de ter sido tão americanizada, que já estava programada a gostar deste filme. 

Mesmo que ele durasse duas horas e aparecessem doença terminal, disputa judicial, fuga para outro país e morte. Garanto que ninguém iria suspirar "Que bosta!" no final do filme.

Obs: Não vou mencionar o nome do filme, porque isso seria sacanagem. 


Texto: Carol Chagas
Foto: We Heart It

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trilha Sonora: Simplesmente Acontece

Não sei se vocês perceberam, mas eu meio que amei o filme Love, Rosie (Sim, prefiro o título original). Mesmo já tendo feito um post sobre ele, não pude deixar de comentar a Trilha Sonora. 
A história se passa durante muitos anos e a música evolui com ela. Nem preciso dizer que achei esse fato fantástico. Além disso, os nomes variam entre artistas famosos como Beyoncé a outros não tão conhecidos assim, mas incríveis igualmente. 
Ah, tem até composição instrumental, que super combina com os momentos das cenas. Resolvi escolher as minhas favoritas e colocar aí embaixo para vocês ouvirem e amarem tanto quanto eu estou amando (: 

Algumas delas você só vai gostar mesmo se assistir o filme haha (já falei como é bom lembrar de uma cena ao ouvir uma música). 

Lily Allen - Littlest Things
Elliott Smith - Son of Sam

Lily Allen - Fuck You

Kodaline - High Hopes
KT Tunstall - Suddenly I See
Beyoncé - Crazy in Love Gilbert O' Sullivan - Alone Again (Naturally)
Mimi & The Mad Noise Factory - Get Me Bac…

Os Signos dos Cantores

Música é uma das melhores coisas da minha vida e acredito que na de muita gente também. Ela está presente em diversos lugares e nas mais diversas línguas, mas na última semana ela está ainda mais em evidência aqui no Brasil. Sim, estou falando do Rock in Rio ♥ 
Inspirada nessa vibe musical, decidi fazer um post sobre os cantores, mas de um jeitinho diferente. Quem me conhece, sabe que eu amo astrologia e, geralmente, acho alguma semelhança entre pessoas do mesmo signo. 
Então, para celebrar a minha mania de procurar o aniversário dos cantores, resolvi reunir muitos deles em um post :) Lembrando que podem existir diferenças nos perfis que eu descrevi, dependendo do ascendente e da posição das casas, okay? Agora vai lá, ler :P
Áries
Os arianos são conhecidos por iniciar, colocar em prática coisas que ainda não foram realizadas. E que, por esse motivo, sempre são lembrados por seus feitos. 

Áries é o tempo de começos e isso fica ainda mais evidente ao observarmos os exemplos de cantores do si…

5.

O reflexo da luz do poste na minha parede. O sol se pondo e iluminando o cabelo claro de minha amiga. As batidas frenéticas na porta quando nasce alguma novidade. O som no último volume - e ainda assim não alto o bastante - como trilha da limpeza. Os arco-íris que aparecem por tudo quanto é canto depois das 11h. Conversas dentro de minha casa que caminham horas a fio, até o dia se apagar lá fora. 
Quando morava com meus pais, meu lar eram vários lugares. O meu quarto. A parte de trás da porta do meu banheiro. A sacada. A cozinha durante a madrugada. Nesses espaços era onde eu mais me sentia viva. Como se eu pudesse me iluminar inteira de uma só vez. 
Hoje vejo que no meu lar há vida em todos os cantos. Minha. E de outros seres que, vez ou outra, resolvem fazer morada por aqui. Já mudei a mesa três vezes de lugar e, cada vez, tem mais gente de quem eu gosto ao redor dela. Minha casa é abrigo temporário. Casa de passagem. Retiro de memórias. E testemunha de transformações. 
Ela me viu em m…

9 Conselhos para 2019.

Cara eu do futuro,
1. Leve seus sonhos a sério. Os que você encontra quando foge desse plano e os que te tiram o sono de vez em quando. Você não precisa de um grande gesto ou de uma mudança radical pra começar. A constância, das suas ações, é muito mais importante do que a rapidez dos seus resultados. A evolução mora na disciplina e espero que você tenha feito morada nela também.
2. Não volte para a mesma pessoa, para o mesmo lugar ou para qualquer coisa esperando o mesmo sentimento. Não será igual. Então, não espere nada. E se possível, não volte. Rever é bom, mas você e eu sabemos que nós não sabemos lidar muito bem com revivals.
3. Abrace os seus fins. Os sinta e se emocione com cada um deles. Mas não se apegue á dor do que não mais será. Parece clichê, mas tente lembrar do começo que mora logo ao lado.
4. Você precisa ficar sozinha. Não sempre. Mas numa frequência considerável, dependendo do seu contexto. Você se sente bem quando o faz e se reconhece como gente. Também não fique muito…

E quando voltar vira costume?

Sou viciada em comer brigadeiro de panela nos dias tristes, desarrumar meu guarda-roupa nas manhãs corridas e participar de relacionamentos iô-iô quando tenho chance. Eu já fazia ideia da existência dos dois primeiros, mas o terceiro foi descoberto há pouco tempo. 
Eu acreditava que a culpa era das pessoas com quem eu me relacionava, mas só porque alguém bate na sua porta, não quer dizer que você precise atendê-la. Depois de algumas sessões na terapia, descobri um padrão emocional não-saudável existente nas minhas relações.  
Nos últimos 3 anos, tenho brincado de batata quente com todas as pessoas por quem me interesso. Elas somem e voltam, assim como eu. Existe uma fenda no tempo em que as coisas "dão certo", mas logo depois, bate um cansaço. Enjoo. Preguiça até. É como se tudo estivesse garantido. Confortável. Seguro demais.
Depois de um tempo, alguém sempre termina. E é aí que chega a liberdade. Eu me sinto solta. Desamarrada no universo e pronta pra conquistar tudo aquilo q…