Pular para o conteúdo principal

Sobre Ross e Rachel estarem (ou não) dando um tempo.

Quando comenta-se sobre as cenas mais emotivas de Friends, o término de Ross e Rachel, conhecido por roubar lágrimas do público, dispara na frente de qualquer lista sobre momentos da série.

O relacionamento do casal foi esperado por temporadas e, quando de fato acontece, temos a chance de curtir a história deles sendo construída. De primeiras vezes a gestos românticos, ‘Ross e Rachel’ eram a expectativa do amor utópico que toda uma geração sonhava em encontrar. E até mesmo na terceira temporada, quando a relação passa a se tornar mais real e vemos os personagens descobrindo as imperfeições um do outro, é possível enxergar graça nesse laço que parece tão sólido.

Um processo catártico se inicia quando Rachel arruma um emprego de que gosta verdadeiramente. Quando ela resolve querer mais para si. Mesmo dentro de um relacionamento, aquele momento era dela, não do casal. Rachel vivia sua própria narrativa, como que acordando e relembrando o porquê de ter largado seu noivo no altar e não ter voltado para a casa dos pais. Ross se sente inseguro ao não se ver presente em sua vida, como anteriormente. Ele não enxerga esse ponto como algo crucial na história de Rachel, mas sim como um afastamento do romance construído até então. E é aí que as rusgas começam. 

Brigas infinitas sobre Mark, sobre a falta de tempo dela para com o relacionamento, sua suposta ausência em momentos e, por fim, crises de ciúme. Tudo culmina para um tempo. Este deveria servir para que cada um tentasse pensar sobre o lado do outro. Ela poderia entender suas inseguranças e ele a trajetória que agora ela vivia. Mas Ross vai para o bar. E Rachel recebe Mark em sua casa. O tempo poderia ter sido apenas isso. Um tempo. Para pensar. Sobre o outro. Sobre o relacionamento que se desgastava pela falta de comunicação e investimento emocional.

Mas quando Ross liga para Rachel e ouve Mark em sua casa, a ânsia em dar o troco e a insegurança de que ele havia sido passado para trás falam mais alto. Rachel se arrepende sobre a infame ligação, se sente profundamente culpada em ter pedido o tempo e em ter recebido o colega de trabalho em sua casa. Ela passa a noite pensando e chega a conclusão a que todos deveriam ter chegado: o relacionamento não precisava ter um fim.

Só que era tarde demais. Ross já havia cometido um erro grande demais para ser ignorado. Ao dormir com outra pessoa e tentar evitar que Rachel descobrisse (ao invés de simplesmente contar pra ela), Ross transforma o tempo em um término. Ele a machuca, pois supõe que está sendo traído e ao sofrer antecipadamente, “se vinga”.

Durante a crise no relacionamento, ele agiu por medo, não por amor. Ir ao escritório da namorada trazer um piquenique sem ser convidado (mesmo ela estando extremamente ocupada), mandar uma banda em seu trabalho, ir a uma palestra sobre moda, por ciúmes de que Mark fosse com ela. Ross passa meses aterrorizado com a ideia de que ele pudesse perder Rachel. E quando o momento acontece, ele percebe que a atitude final que causou o término é sua, não dela.

Quando descobre a traição, a confiança que Rachel tinha em Ross se quebra. Porém Ross desconfiava da namorada há tempos, pois faltava nele confiança em si mesmo. Ele sempre esteve um passo atrás dela. Da conquista ao relacionamento finalmente ter se dado. Ross sempre sentiu que esteve nas mãos de Rachel e, por isso, as tentativas em controlar a namorada. Deixo claro aqui que não o defendo, apenas tento compreendê-lo.

Como uma tentativa desesperada de se defender, ele alimenta a épica discussão “NÓS ESTÁVAMOS DANDO UM TEMPO” como que para justificar seu erro. Ross poderia até estar “tecnicamente” certo sobre o momento. Mas o grande problema aqui, é que esta era a briga errada. Nenhuma ação é isolada de contexto. E o relacionamento dos dois naquele momento era muito mais problemático por parte do personagem, do que por Rachel.

A cada troca de acusações nos episódios seguintes, os dois se machucavam ainda mais. Era como se ao pisar no calo do outro, eles esperassem que alguém pedisse desculpas e assumisse uma culpa que não pode ser carregada apenas por uma pessoa. Quem já terminou, sabe bem. Geralmente, o casal erra, não somente uma das partes.

E não há nada de errado em errar (mesmo que o erro em si não tenha conserto), o que não é legal é deixar de assumir a responsabilidade pelo que não fizemos de certo ali. Somos todos contexto e no fim, não importa muito quem pediu ou deixou de pedir por um tempo em uma relação, mas o que cada um aprendeu a não fazer de novo no próximo relacionamento.

Como que um término mal resolvido, parecemos esquecer os bons momentos vividos entre os dois personagens. Sim, Ross por vezes foi possessivo e controlador. Mas também foi sensível e completamente presente para Rachel. 

O grande problema aqui é que ele a colocou num pedestal como sua ex-paixão adolescente e ela o via como alguém real. A rejeição que Ross tanto temia era o mesmo sentimento do nerd que não se achava bom o bastante para estar com a líder de torcida popular do colégio. Ou seja, para se relacionar com ela, ele acreditava precisar possuí-la.

Para mim, os dois deixaram de fazer sentido quando se tornaram amigos logo após o casamento conturbado dele com Emily. Quando Emma nasceu, poderia ali ter surgido uma tentativa de reconciliação. Mas de novo, o orgulho e a falta de confiança ficaram no meio de algo que poderia ser verdadeiro e agora maduro, para os dois. Por isso, penso que o final não fez sentido. Não era o timing, era uma tentativa forçada de ressuscitar uma faísca que já havia sido apagada há tempos apenas para criar um final épico para a série.

Não temos acesso ao que aconteceu após o fim de Friends, mas não posso deixar de imaginar que meses depois (ou até menos tempo), ambos provavelmente terminaram por um motivo fraco demais apenas para provar que como casal, eles não eram fortes o bastante para estarem juntos.
--------------------------------------------------------------

- Para mais crônicas como esta, clique aqui.




Foto: Google Imagens
Texto: Carol Chagas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Verdade Sobre os Desenhos

Como qualquer criança normal, eu passei minha infância assistindo desenhos (ainda assisto haha). Só que quando a gente cresce, passa prestar mais atenção ainda neles. Outro dia, eu descobri alguns significados ocultos de um desenho que eu assistia, e resolvi pesquisar MAIS sobre outros. Veja abaixo. 7 Monstrinhos O desenho era exibido na Tv Cultura. E quem era fã mesmo, tinha até a música de abertura decorada hehe. Tudo muito lindo, mas e se eu te dissesse que ele era uma crítica contra o nazismo? Isso mesmo. De acordo com algumas teorias, os 7 monstrinhos representariam a visão dos alemães sobre os judeus.  Eles eram vistos como monstros, possuíam o nariz bem grande, e olha só que coincidência: No campo de concentração, eram identificados por Números. Um dos personagens usava um pijama listrado bem idêntico ao uniforme que os judeus que eram presos tinham que usar, e eles também moravam no sótão (local onde os judeus se escondiam).  Bob Esponja Para o nosso que

Os Signos dos Cantores

Música é uma das melhores coisas da minha vida e acredito que na de muita gente também. Ela está presente em diversos lugares e nas mais diversas línguas, mas na última semana ela está ainda mais em evidência aqui no Brasil. Sim, estou falando do Rock in Rio ♥  Inspirada nessa vibe musical, decidi fazer um post sobre os cantores, mas de um jeitinho diferente. Quem me conhece, sabe que eu amo astrologia e, geralmente, acho alguma semelhança entre pessoas do mesmo signo.  Então, para celebrar a minha mania de procurar o aniversário dos cantores, resolvi reunir muitos deles em um post :) Lembrando que podem existir diferenças nos perfis que eu descrevi, dependendo do ascendente e da posição das casas , okay? Agora vai lá, ler :P Áries Os arianos são conhecidos por iniciar, colocar em prática coisas que ainda não foram realizadas. E que, por esse motivo, sempre são lembrados por seus feitos.  Áries é o tempo de começos e isso fica ainda mais evidente ao observarmos

Trilha Sonora: Simplesmente Acontece

Não sei se vocês perceberam, mas eu meio que amei o filme Love, Rosie (Sim, prefiro o título original). Mesmo já tendo feito um post sobre ele , não pude deixar de comentar a Trilha Sonora.  A história se passa durante muitos anos e a música evolui com ela. Nem preciso dizer que achei esse fato fantástico. Além disso, os nomes variam entre artistas famosos como Beyoncé a outros não tão conhecidos assim, mas incríveis igualmente.  Ah, tem até composição instrumental, que super combina com os momentos das cenas. Resolvi escolher as minhas favoritas e colocar aí embaixo para vocês ouvirem e amarem tanto quanto eu estou amando (:  Algumas delas você só vai gostar mesmo se assistir o filme haha (já falei como é bom lembrar de uma cena ao ouvir uma música).  Lily Allen - Littlest Things Elliott Smith - Son of Sam Lily Allen - Fuck You Kodaline - High Hopes KT Tunstall - Suddenly I See Beyoncé - Crazy in Love G

espero que nunca.

Desde os 6 anos, sempre vi a morte perto demais. Nada de substancial me aconteceu nesta idade ou no restante dos anos em relação ao assunto, mas sempre senti que era questão de tempo, mesmo que o tempo em questão acontecesse somente dentro da minha cabeça. Assim como uma grande amiga,  não sei direito o que é intuição e o que é medo.  Frequentemente, essas duas linhas se cruzam e eu não consigo distingui-las muito bem. Pelo sim, pelo não, tento ignorar. Mas sempre imagino que aquela é a exceção da regra quase impraticável que se pratica na minha mente. Vai acontecer, eu sinto, tenho certeza. E nada de ruim acontece. Por mais que eu pense, repense e, de longe, vibre com isso. Não me leve a mal, não torço para que coisas ruins aconteçam, muito menos para que eu esteja certa, não tenho tanto apego à razão, como pudemos ver em todas as linhas acima. Eu  apenas minto para mim mesma e me acredito até que a vida se prove contrária . E para minha angústia, mas felicidade, ela sempre se prova.

TOP 5: Séries Que Se Passam na Praia

As férias já estão quase no final, mas ainda temos a companhia do verão por um tempinho (até dia 20 de Março). E as praias costumam ser o local favorito da galera nos dias de calor. Como eu vivo em uma cidade litorânea há 19 anos, confesso que nem dou mais tanta bola.  Mas nem eu mesma escapo dela nos dias muito quentes. Se você não mora em nenhum lugar que tenha mar (♥), não se preocupa! Fiz uma lista com 5 séries que se passam no litoral, só pra você matar a vontade fazendo maratonas :)  Desde criança, me identifiquei muito com todas elas, tirando o fato de que eu não ia a todo momento como os personagens :P Mas isso são detalhes. Bora assistir os seriados? ;) The O.C. Em The O.C., Ryan Atwood é um adolescente que passa por muitos problemas. Logo no início da série, ele é preso por causa de seu irmão, que foi pego roubando um carro. Ryan acaba sendo solto graças a um advogado do estado.  Este sente pelo garoto e o leva para viver em sua casa. O que o menino não

TOP 5: Bruxas do Cinema

Oi, gente. Essa semana estreou Malévola, um dos filmes mais esperados do ano, que mostra a história não contada da bruxa que envenenou Aurora (princesa de A Bela Adormecida), uma das maiores vilãs dos contos infantis. E  pelo que eu vi do trailer ,  a adaptação promete.  Isso me faz lembrar de uma coisa: da importância dos vilões. Particularmente, eles são meus personagens favoritos. Com suas mentes complexas, que rendem ótimas histórias, e que querendo ou não, se aproximam mais de nós, do que os próprios mocinhos.  Acredito que a imperfeição é mais interessante que a perfeição. Inspirada por essa onda de vilões, fiz uma lista com algumas das "vilãs" mais legais do cinema. Espero que vocês gostem MUAHAHA (Risada maquiavélica sqn hehe). Rainha Vermelha/Rainha de Copas - Alice no País das Maravilhas No filme, a Rainha Vermelha e a Rainha de Copas foram fundidas em uma só personagem. Na história, ela destrona sua irmã mais nova (Rainha Branca) e governa com tira

TOP 10: Filmes do Leonardo DiCaprio

O Léozin (sim, sou íntima) é um dos meus atores favoritos desde sempre. Acho que o fato de eu gostar tanto dele, não tem muito a ver com sua beleza, mas sim com sua interpretação marcante e o seu vasto leque de personagens.  Todos eles possuem em comum a profundidade psicológica necessária para que o ator possa fazer o que faz de melhor. Leonardo DiCaprio consegue trazer a gente para o mundinho dele, nos convida pra sentar na sala e começa desmembrar na nossa frente as diversas facetas que ele possui.  Seu papel pode até ser superficial, mas só até certo ponto. Depois de um tempo, ele passa a mostrar a complexidade comportamental que nos era invisível. Eu sempre quis fazer um post sobre ele e seus filmes, então aproveitei o fato de que ele GANHOU seu primeiro Oscar .  Fiz esse post antes de saber se ele realmente ia ganhar. Mas confesso que não me importava tanto assim, porque sou daquelas que acredita que prêmios nem sempre são proporcionais aos talentos da

Série: Sex and the City

Sinopse: Carrie Bradshaw trabalha como colunista de um jornal onde relata histórias sobre relações interpessoais e sexuais. Carrie vive em Manhattan, Nova Iorque. Conta sempre com as suas três amigas: Samantha Jones, Charlotte York e Miranda Hobbes. Você provavelmente já ouviu falar na famosa série dos anos 90, que tinha como protagonistas quatro mulheres solteiras que dividiam relatos sobre suas vidas. Confesso que sempre senti um certo pré-conceito sobre esta série, achava a história muito superficial. Mas quando comecei a assistir The Carrie Diaries, me apaixonei pela personagem principal (que é a Carrie aos 16 anos ). Carrie Bradshaw aos 16 anos. Porém, ao ver ela ser cancelada, decidi dar uma chance a Carrie mais velha, possivelmente mais sábia . E olha, não me arrependi. Sex and the City é diferente das outras séries que são protagonizadas por mulheres.  Por ter surgido há duas décadas, em um momento onde as mulheres não tinham muito poder, o plot foi bem ou