Pular para o conteúdo principal

Sobre Ross e Rachel estarem (ou não) dando um tempo.

Quando comenta-se sobre as cenas mais emotivas de Friends, o término de Ross e Rachel, conhecido por roubar lágrimas do público, dispara na frente de qualquer lista sobre momentos da série.

O relacionamento do casal foi esperado por temporadas e, quando de fato acontece, temos a chance de curtir a história deles sendo construída. De primeiras vezes a gestos românticos, ‘Ross e Rachel’ eram a expectativa do amor utópico que toda uma geração sonhava em encontrar. E até mesmo na terceira temporada, quando a relação passa a se tornar mais real e vemos os personagens descobrindo as imperfeições um do outro, é possível enxergar graça nesse laço que parece tão sólido.

Um processo catártico se inicia quando Rachel arruma um emprego de que gosta verdadeiramente. Quando ela resolve querer mais para si. Mesmo dentro de um relacionamento, aquele momento era dela, não do casal. Rachel vivia sua própria narrativa, como que acordando e relembrando o porquê de ter largado seu noivo no altar e não ter voltado para a casa dos pais. Ross se sente inseguro ao não se ver presente em sua vida, como anteriormente. Ele não enxerga esse ponto como algo crucial na história de Rachel, mas sim como um afastamento do romance construído até então. E é aí que as rusgas começam. 

Brigas infinitas sobre Mark, sobre a falta de tempo dela para com o relacionamento, sua suposta ausência em momentos e, por fim, crises de ciúme. Tudo culmina para um tempo. Este deveria servir para que cada um tentasse pensar sobre o lado do outro. Ela poderia entender suas inseguranças e ele a trajetória que agora ela vivia. Mas Ross vai para o bar. E Rachel recebe Mark em sua casa. O tempo poderia ter sido apenas isso. Um tempo. Para pensar. Sobre o outro. Sobre o relacionamento que se desgastava pela falta de comunicação e investimento emocional.

Mas quando Ross liga para Rachel e ouve Mark em sua casa, a ânsia em dar o troco e a insegurança de que ele havia sido passado para trás falam mais alto. Rachel se arrepende sobre a infame ligação, se sente profundamente culpada em ter pedido o tempo e em ter recebido o colega de trabalho em sua casa. Ela passa a noite pensando e chega a conclusão a que todos deveriam ter chegado: o relacionamento não precisava ter um fim.

Só que era tarde demais. Ross já havia cometido um erro grande demais para ser ignorado. Ao dormir com outra pessoa e tentar evitar que Rachel descobrisse (ao invés de simplesmente contar pra ela), Ross transforma o tempo em um término. Ele a machuca, pois supõe que está sendo traído e ao sofrer antecipadamente, “se vinga”.

Durante a crise no relacionamento, ele agiu por medo, não por amor. Ir ao escritório da namorada trazer um piquenique sem ser convidado (mesmo ela estando extremamente ocupada), mandar uma banda em seu trabalho, ir a uma palestra sobre moda, por ciúmes de que Mark fosse com ela. Ross passa meses aterrorizado com a ideia de que ele pudesse perder Rachel. E quando o momento acontece, ele percebe que a atitude final que causou o término é sua, não dela.

Quando descobre a traição, a confiança que Rachel tinha em Ross se quebra. Porém Ross desconfiava da namorada há tempos, pois faltava nele confiança em si mesmo. Ele sempre esteve um passo atrás dela. Da conquista ao relacionamento finalmente ter se dado. Ross sempre sentiu que esteve nas mãos de Rachel e, por isso, as tentativas em controlar a namorada. Deixo claro aqui que não o defendo, apenas tento compreendê-lo.

Como uma tentativa desesperada de se defender, ele alimenta a épica discussão “NÓS ESTÁVAMOS DANDO UM TEMPO” como que para justificar seu erro. Ross poderia até estar “tecnicamente” certo sobre o momento. Mas o grande problema aqui, é que esta era a briga errada. Nenhuma ação é isolada de contexto. E o relacionamento dos dois naquele momento era muito mais problemático por parte do personagem, do que por Rachel.

A cada troca de acusações nos episódios seguintes, os dois se machucavam ainda mais. Era como se ao pisar no calo do outro, eles esperassem que alguém pedisse desculpas e assumisse uma culpa que não pode ser carregada apenas por uma pessoa. Quem já terminou, sabe bem. Geralmente, o casal erra, não somente uma das partes.

E não há nada de errado em errar (mesmo que o erro em si não tenha conserto), o que não é legal é deixar de assumir a responsabilidade pelo que não fizemos de certo ali. Somos todos contexto e no fim, não importa muito quem pediu ou deixou de pedir por um tempo em uma relação, mas o que cada um aprendeu a não fazer de novo no próximo relacionamento.

Como que um término mal resolvido, parecemos esquecer os bons momentos vividos entre os dois personagens. Sim, Ross por vezes foi possessivo e controlador. Mas também foi sensível e completamente presente para Rachel. 

O grande problema aqui é que ele a colocou num pedestal como sua ex-paixão adolescente e ela o via como alguém real. A rejeição que Ross tanto temia era o mesmo sentimento do nerd que não se achava bom o bastante para estar com a líder de torcida popular do colégio. Ou seja, para se relacionar com ela, ele acreditava precisar possuí-la.

Para mim, os dois deixaram de fazer sentido quando se tornaram amigos logo após o casamento conturbado dele com Emily. Quando Emma nasceu, poderia ali ter surgido uma tentativa de reconciliação. Mas de novo, o orgulho e a falta de confiança ficaram no meio de algo que poderia ser verdadeiro e agora maduro, para os dois. Por isso, penso que o final não fez sentido. Não era o timing, era uma tentativa forçada de ressuscitar uma faísca que já havia sido apagada há tempos apenas para criar um final épico para a série.

Não temos acesso ao que aconteceu após o fim de Friends, mas não posso deixar de imaginar que meses depois (ou até menos tempo), ambos provavelmente terminaram por um motivo fraco demais apenas para provar que como casal, eles não eram fortes o bastante para estarem juntos.
--------------------------------------------------------------

- Para mais crônicas como esta, clique aqui.




Foto: Google Imagens
Texto: Carol Chagas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Trilha Sonora: Simplesmente Acontece

Não sei se vocês perceberam, mas eu meio que amei o filme Love, Rosie (Sim, prefiro o título original). Mesmo já tendo feito um post sobre ele, não pude deixar de comentar a Trilha Sonora. 
A história se passa durante muitos anos e a música evolui com ela. Nem preciso dizer que achei esse fato fantástico. Além disso, os nomes variam entre artistas famosos como Beyoncé a outros não tão conhecidos assim, mas incríveis igualmente. 
Ah, tem até composição instrumental, que super combina com os momentos das cenas. Resolvi escolher as minhas favoritas e colocar aí embaixo para vocês ouvirem e amarem tanto quanto eu estou amando (: 

Algumas delas você só vai gostar mesmo se assistir o filme haha (já falei como é bom lembrar de uma cena ao ouvir uma música). 

Lily Allen - Littlest Things
Elliott Smith - Son of Sam

Lily Allen - Fuck You

Kodaline - High Hopes
KT Tunstall - Suddenly I See
Beyoncé - Crazy in Love Gilbert O' Sullivan - Alone Again (Naturally)
Mimi & The Mad Noise Factory - Get Me Bac…

Você sabe o que é Guilty Pleasure?

Há alguns anos atrás, vi a seguinte expressão em uma série (tá, foi em Glee): Guilty Pleasure. A tradução livre explica que ela se refere a algo que você gosta, mas que não é considerada como algo legal/bacana na sociedade, fazendo com que você se sinta meio culpado/envergonhado por isso. 

Confesso que eu sou a rainha do Guilty Pleasure, gosto de tanta coisa que é considerada boba, que olha, a lista é grande. Desde cantores pop a séries consideradas ruins. O legal de esconder esses gostos da maioria das pessoas é encontrar gente que te entenda (te aceite haha) e que compartilhe a mesma paixãozinha secreta com você. 

E olha, quando isso acontece, é extremamente libertador poder ouvir (sem vergonha) aquela música que todo mundo zoa :) Pensando nisso tudo, resolvi fazer uma lista de coisas que se encaixam nessa expressão e assumir (nem que seja aqui no blog) algumas delas. Quem sabe um dia eu não assumo na vida real também? haha.
Musicais
Desde a primeira vez que assisti a um musical (foi Hi…

Os Signos dos Cantores

Música é uma das melhores coisas da minha vida e acredito que na de muita gente também. Ela está presente em diversos lugares e nas mais diversas línguas, mas na última semana ela está ainda mais em evidência aqui no Brasil. Sim, estou falando do Rock in Rio ♥ 
Inspirada nessa vibe musical, decidi fazer um post sobre os cantores, mas de um jeitinho diferente. Quem me conhece, sabe que eu amo astrologia e, geralmente, acho alguma semelhança entre pessoas do mesmo signo. 
Então, para celebrar a minha mania de procurar o aniversário dos cantores, resolvi reunir muitos deles em um post :) Lembrando que podem existir diferenças nos perfis que eu descrevi, dependendo do ascendente e da posição das casas, okay? Agora vai lá, ler :P
Áries
Os arianos são conhecidos por iniciar, colocar em prática coisas que ainda não foram realizadas. E que, por esse motivo, sempre são lembrados por seus feitos. 

Áries é o tempo de começos e isso fica ainda mais evidente ao observarmos os exemplos de cantores do si…

TOP 5: Filmes Para Acreditar em Si Mesmo

Mais da metade de 2015 já foi. E você? Fez aquilo que jurou de pé junto que faria no ano novo? Espero que sim. Eu estou cumprindo minha promessa e fazendo mais umas mil pra 2016. Tem tanta coisa que eu quero fazer, que confesso que eu fico meio perdida, sabe? 

De vez em quando, a gente se confunde nos planos, muda de ideia e até escolhe outras rotas. Parece que quando a gente se foca muito tempo em conquistar uma determinada coisa, isso meio que tira a visão do todo e faz com que a tarefa perca o sentido. 

E é nessas horas, que eu me pergunto se realmente estou fazendo a coisa certa e se posso apostar tanto assim em mim mesma. Eu sou uma expert em não confiar na minha capacidade. Muita gente acha que é modéstia, mas é insegurança mesmo. 

Sempre tenho aquele medo de não ser boa o suficiente e fazer tanto esforço em vão. Quando essa paranoia acontece, procuro relaxar um pouco e assistir alguns filmes que me inspiram a acreditar mais no que eu sou capaz de fazer. 

No que todos somos, na verd…

Quero falar com você.

"Entrei apressada pela entrada. Como se eu tivesse algo importante a fazer. Nem fiquei procurando por ninguém, já que eu nem conseguiria achar com essa linda miopia que eu tenho."
- Primeiro dia de Faculdade (28, Janeiro, 2014).

Hoje, 28 de janeiro, faz 5 anos que escrevi esse post acima e criei o "Fases de Alice". Na época, eu tinha 17 anos e acabara de entrar no curso de Comércio Exterior. Eu já havia tido - e abandonado - dois blogs, então confesso que eu achei que o mesmo fosse acontecer com esse aqui.
De lá pra cá, tanta coisa mudou. Tranquei a faculdade, mudei de curso - Publicidade o/ - e de cidade/estado. Mas uma continua a mesma: de tempos em tempos eu volto pra cá. Criei o blog pra tentar me entender, como uma espécie de terapia pública. E o efeito continua dando certo.
Cada um tem sua válvula de escape. Um lugar onde é bom despejar o que a gente sente, pensa e se é naquele momento. A escrita tem sido a minha forma de lidar com tudo há anos. E o blog me ajudo…

A Verdade Sobre os Desenhos

Como qualquer criança normal, eu passei minha infância assistindo desenhos (ainda assisto haha). Só que quando a gente cresce, passa prestar mais atenção ainda neles. Outro dia, eu descobri alguns significados ocultos de um desenho que eu assistia, e resolvi pesquisar MAIS sobre outros. Veja abaixo.

7 Monstrinhos O desenho era exibido na Tv Cultura. E quem era fã mesmo, tinha até a música de abertura decorada hehe. Tudo muito lindo, mas e se eu te dissesse que ele era uma crítica contra o nazismo? Isso mesmo. De acordo com algumas teorias, os 7 monstrinhos representariam a visão dos alemães sobre os judeus. 

Eles eram vistos como monstros, possuíam o nariz bem grande, e olha só que coincidência: No campo de concentração, eram identificados por Números. Um dos personagens usava um pijama listrado bem idêntico ao uniforme que os judeus que eram presos tinham que usar, e eles também moravam no sótão (local onde os judeus se escondiam). 
Bob Esponja Para o nosso querido Bob Calça Quadrada, tem…

como é que a gente se despede da gente?

Quando Ted, de How i met your mother, está prestes a deixar Nova York na nona (e infinita) temporada, ele faz uma lista de coisas que ele sentirá saudade de fazer na cidade. E ao listar as últimas vezes, sua amiga Lily lhe dá um conselho:

“Você escreveu todas essas coisas para as quais dizer adeus. Mas há tantas coisas boas. Por que não dizer adeus às coisas ruins? Diga adeus a todas as vezes que você se sentiu perdido. Para todas os ‘nãos’, ao invés dos ‘sims’. Para todos os arranhões e contusões. Para toda a mágoa. Diga adeus a tudo aquilo que você realmente deseja fazer pela última vez”.
Quem já se mudou, sabe. Em meio a pilhas de coisas pra fazer e arrumar, parece que tudo vem acompanhado pelo gosto do que não iremos provar novamente. A rua onde a gente não vai mais se perder ou a biblioteca a qual não iremos mais pra pensar. A pessoa do outro lado do corredor a quem não mais recorreremos em tempos de novidades e dificuldades ou até mesmo o parque onde a gente já nasceu de tantas fo…

não deixe o tesão morrer.

se tem uma coisa que eu procuro é sentir tesão nas coisas que eu faço. e quando falta, é tipo um relacionamento sem química: não vai pra frente. eu sou a rainha dos projetos paralelos. posso te mostrar uma lista de tudo que já passou pela minha cabeça e me fez acordar cedo e dormir tarde.
de tempos em tempos, chega uma ideia. e geralmente, eu abro a porta, deixo entrar, chamo pra comer brigadeiro e ver um filme. deixo ela se instalar aos poucos e, quando vejo, fui conquistada. se apaixonar por gente é muito bom, mas se apaixonar por ideias é uma delícia.
é como se encantar com uma versão tua que ainda não existe. é se descobrir bem aos pouquinhos. e descobrir é uma das minhas grandes paixões.
só que como o tempo abrevia tudo que existe nessa vida, não seria diferente aqui também. sou tão obstinada quanto instável, da mesma forma que mergulho, quando dou por mim, já não aguento mais ficar na água. é o preço da intensidade, meus amigos.
da mesma maneira que a gente precisa construir quando …