Pular para o conteúdo principal

O Paradoxo da Solidão

Eu sempre gostei de ficar sozinha. Desde criança, eu dava mil pulinhos de alegria quando tinha a casa só pra mim. Isso significava ter algumas horas pra poder falar em voz alta, bater um papo cabeça com o meu cachorro e ouvir músicas constrangedoras no último volume (um bj ex-vizinhos). 

E se eu estivesse meio deprê, o choro também era liberado, já que ninguém ia perguntar o porquê de o meu rosto estar vermelho. Os meus momentos de solidão eram recheados de felicidade. 

Eu tinha o melhor dos dois mundos: podia ter algumas horinhas de solidão, mas também tinha aquela companhia marota nas horas solitárias não tão legais assim (leia-se domingo, o dia da semana em que todas as pessoas do universo não fazem nada). 

O irônico é que quando você começa a morar sozinha, esses momentos que eram tão incríveis deixam de ser especiais. Deixam, porque talvez acabem competindo com tarefas não tão agradáveis assim de serem feitas, mas que precisam ser resolvidas. E pasme: você está sozinho para dar conta delas. 

É claro que é ótimo fazer brigadeiro ás duas da manhã depois de passar horas jogando no computador ou limpar a casa de madrugada simplesmente porque você está afim. Isso tudo é bem bacana, não vou mentir.

Mas de vez em quando, bate um cansaço. Principalmente quando você tem vontade de escrever aquele textão sobre as várias coisas que está vivendo, mas não consegue sentar sossegada na cadeira porque logo vem a culpa. De não estar lendo os infinitos textos pra faculdade, lavando a roupa, a louça, limpando a casa ou arrumando a cama. 

É como se o meu coraçãozinho só quisesse desabafar um pouquinho sobre a vida, mas a cabeça não deixasse por achar que eu poderia estar fazendo algo mais útil com meu tempo. Acho que essa falta de paz causada pelo meu monstrinho é a responsável pelas minhas noites mal dormidas.

Tenho dormido tarde (pq convenhamos, não consigo sentir sono cedo) e acordado cedo, culpada por não ter feito tudo que eu precisava fazer no dia anterior. E esse estranho ciclo (cuja existência só me dei conta agora ao escrever esse texto) que tem sido a minha vida nos últimos tempos. 

Apesar desse mini desabafo (que talvez nem devesse estar no blog, mas sim em uma agenda qualquer), eu gosto de morar sozinha. Os domingos são difíceis? Bastante. Ás vezes dá vontade de ir pra casa de alguém só pra não olhar pra minha bagunça? Sim, o tempo todo. 

Mas tentar me manter viva, alimentada e em uma casa arrumada tem me feito crescer. Me organizar entre tarefas domésticas, estudar, sair e me dedicar a projetos na faculdade faz com que eu me sinta desafiada o tempo todo. Nele, eu fico presa num jogo de tabuleiro que dura 24h e tenho como objetivo fazer o tempo render ao máximo. 

E olha, por mais que de vez em quando eu tenha vontade de trocar GTA por esse jogo da vida, confesso que tenho amado cada partida.

Texto e Foto: Carol Chagas

Follow my blog with Bloglovin

Comentários

  1. Oi Carol! Tudo bem? Adorei o seu texto. Me lembrou uma reflexão de um filme chamado Into the Wild. Se não assistiu, por favor, assista! =D
    A reflexão no filme é: "A verdadeira felicidade é quando compartilhada."

    Ou seja, é possível sermos felizes com nós mesmos, porém quando essa felicidade é compartilhada, torna-se VERDADEIRA.

    Tenha uma boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Francielle! Eu já ouvi falar de Into the Wild, mas não fazia ideia da sua reflexão, confesso que ao saber, fiquei com mais vontade de vê-lo.

      E concordo totalmente com ela, não podemos ser felizes completamente sozinhos (isto é, sem família e amigos, ou sem qualquer serumaninho com quem possamos compartilhar nossos pensamentos).

      Obrigada por comentar aqui e me indicar o filme, adoro quando me indicam coisas! Boa semana pra ti também :)

      Excluir

Postar um comentário

Pode comentar que eu não mordo :P

Postagens mais visitadas deste blog

Trilha Sonora: Simplesmente Acontece

Não sei se vocês perceberam, mas eu meio que amei o filme Love, Rosie (Sim, prefiro o título original). Mesmo já tendo feito um post sobre ele, não pude deixar de comentar a Trilha Sonora. 
A história se passa durante muitos anos e a música evolui com ela. Nem preciso dizer que achei esse fato fantástico. Além disso, os nomes variam entre artistas famosos como Beyoncé a outros não tão conhecidos assim, mas incríveis igualmente. 
Ah, tem até composição instrumental, que super combina com os momentos das cenas. Resolvi escolher as minhas favoritas e colocar aí embaixo para vocês ouvirem e amarem tanto quanto eu estou amando (: 

Algumas delas você só vai gostar mesmo se assistir o filme haha (já falei como é bom lembrar de uma cena ao ouvir uma música). 

Lily Allen - Littlest Things
Elliott Smith - Son of Sam

Lily Allen - Fuck You

Kodaline - High Hopes
KT Tunstall - Suddenly I See
Beyoncé - Crazy in Love Gilbert O' Sullivan - Alone Again (Naturally)
Mimi & The Mad Noise Factory - Get Me Bac…

Os Signos dos Cantores

Música é uma das melhores coisas da minha vida e acredito que na de muita gente também. Ela está presente em diversos lugares e nas mais diversas línguas, mas na última semana ela está ainda mais em evidência aqui no Brasil. Sim, estou falando do Rock in Rio ♥ 
Inspirada nessa vibe musical, decidi fazer um post sobre os cantores, mas de um jeitinho diferente. Quem me conhece, sabe que eu amo astrologia e, geralmente, acho alguma semelhança entre pessoas do mesmo signo. 
Então, para celebrar a minha mania de procurar o aniversário dos cantores, resolvi reunir muitos deles em um post :) Lembrando que podem existir diferenças nos perfis que eu descrevi, dependendo do ascendente e da posição das casas, okay? Agora vai lá, ler :P
Áries
Os arianos são conhecidos por iniciar, colocar em prática coisas que ainda não foram realizadas. E que, por esse motivo, sempre são lembrados por seus feitos. 

Áries é o tempo de começos e isso fica ainda mais evidente ao observarmos os exemplos de cantores do si…

A Verdade Sobre os Desenhos

Como qualquer criança normal, eu passei minha infância assistindo desenhos (ainda assisto haha). Só que quando a gente cresce, passa prestar mais atenção ainda neles. Outro dia, eu descobri alguns significados ocultos de um desenho que eu assistia, e resolvi pesquisar MAIS sobre outros. Veja abaixo.

7 Monstrinhos O desenho era exibido na Tv Cultura. E quem era fã mesmo, tinha até a música de abertura decorada hehe. Tudo muito lindo, mas e se eu te dissesse que ele era uma crítica contra o nazismo? Isso mesmo. De acordo com algumas teorias, os 7 monstrinhos representariam a visão dos alemães sobre os judeus. 

Eles eram vistos como monstros, possuíam o nariz bem grande, e olha só que coincidência: No campo de concentração, eram identificados por Números. Um dos personagens usava um pijama listrado bem idêntico ao uniforme que os judeus que eram presos tinham que usar, e eles também moravam no sótão (local onde os judeus se escondiam). 
Bob Esponja Para o nosso querido Bob Calça Quadrada, tem…

9 Conselhos para 2019.

Cara eu do futuro,
1. Leve seus sonhos a sério. Os que você encontra quando foge desse plano e os que te tiram o sono de vez em quando. Você não precisa de um grande gesto ou de uma mudança radical pra começar. A constância, das suas ações, é muito mais importante do que a rapidez dos seus resultados. A evolução mora na disciplina e espero que você tenha feito morada nela também.
2. Não volte para a mesma pessoa, para o mesmo lugar ou para qualquer coisa esperando o mesmo sentimento. Não será igual. Então, não espere nada. E se possível, não volte. Rever é bom, mas você e eu sabemos que nós não sabemos lidar muito bem com revivals.
3. Abrace os seus fins. Os sinta e se emocione com cada um deles. Mas não se apegue á dor do que não mais será. Parece clichê, mas tente lembrar do começo que mora logo ao lado.
4. Você precisa ficar sozinha. Não sempre. Mas numa frequência considerável, dependendo do seu contexto. Você se sente bem quando o faz e se reconhece como gente. Também não fique muito…

5.

O reflexo da luz do poste na minha parede. O sol se pondo e iluminando o cabelo claro de minha amiga. As batidas frenéticas na porta quando nasce alguma novidade. O som no último volume - e ainda assim não alto o bastante - como trilha da limpeza. Os arco-íris que aparecem por tudo quanto é canto depois das 11h. Conversas dentro de minha casa que caminham horas a fio, até o dia se apagar lá fora. 
Quando morava com meus pais, meu lar eram vários lugares. O meu quarto. A parte de trás da porta do meu banheiro. A sacada. A cozinha durante a madrugada. Nesses espaços era onde eu mais me sentia viva. Como se eu pudesse me iluminar inteira de uma só vez. 
Hoje vejo que no meu lar há vida em todos os cantos. Minha. E de outros seres que, vez ou outra, resolvem fazer morada por aqui. Já mudei a mesa três vezes de lugar e, cada vez, tem mais gente de quem eu gosto ao redor dela. Minha casa é abrigo temporário. Casa de passagem. Retiro de memórias. E testemunha de transformações. 
Ela me viu em m…