Pular para o conteúdo principal

Filme: Malévola

Olá, galera. Ontem fui ver Malévola, e resolvi contar o que eu achei. O filme estreou semana passada, e o elenco conta com Angelina (Perfeita) Jolie, Elle Fanning (Sim, a irmã da Dakota), Sharlto Copley e Sam Riley.

Enredo
Bom, no filme, a perspectiva é bem diferente da história com que estamos acostumados a ouvir por aí. O foco principal é em Malévola, e em tudo que lhe aconteceu antes de ela lançar a maldição sobre Aurora. 

O enredo foi bem criativo, fazendo surgir fatos que o público (pelo menos eu)  não esperava. Porém, achei que o filme seria mais sombrio, o trailer meio que me iludiu. Acho que eu estava com muita expectativa hehe, mas tudo bem. 
O final me lembrou muito do final de Frozen, e isto só prova que a Disney está se modernizando, ao adaptar suas histórias á sociedade que vivemos hoje. A produtora vem construindo personagens mais fortes e determinadas. 

O fato da perspectiva do filme ser baseada em uma (originalmente) vilã, também foi muito inovador. Pelo menos, eu nunca havia visto nada assim antes na Disney. O filme ainda conta com um diálogo muito bem construído. Podemos encontrar na história humor, fantasia e drama, tornando-o bem único.

Efeitos
Agora, vamos falar sobre os efeitos. Gente, foram incríveis, sério. O Reino dos Morz, e as criaturas que ali viviam eram fantásticas. E a mudança do mesmo, quando Malévola se torna má, é visivelmente perceptível. 

A intensidade e o cuidado dados ao mostrar os poderes de Angelina valem o filme. A criação desse mundo completamente novo está de parabéns. Assim como a atriz, que foi fantástica, e me fez gostar de verdade de seu trabalho, já que eu não tinha muita simpatia por ela. 

Personagens
Malévola foi vilã, heroína, irônica, forte e sensível em horas apropriadas, não deixando nenhuma cena sem algum significado. Houve uma transformação da vilã icônica estagnada, para uma personagem complexa e humana, repleta de emoções. 

De garota pura, a traída, Malévola fechou seu coração para o amor, e se concentrou em vingança. Essa construção foi perfeitamente elaborada, assim como a humanização da personagem. 
Os personagens mostraram que, vulnerabilidade não é sinônimo de fraqueza, mas sim de força. Elle Fanning deu vida a uma Aurora diferente. Sim, ela é uma princesa com todos aqueles clichês de Disney. 

Porém, sua pureza e alegria não deveriam ser considerados superficiais, já que essas características a aproximaram da Malévola jovem. 
E com o passar do filme, descobrimos que Rei Stefan é o verdadeiro vilão. A ironia está no fato de que suas características não são tão desconhecidas para nós. Não é preciso se esforçar muito, para achar um vilão a nossa volta, e ao seu redor, pessoas machucadas e transformadas por ele. Nesse ponto, a fantasia se aproxima da realidade. Agora, não parece mais um simples Conto de Fadas, não? 


Dá uma olhada no trailer.
E aí o que acharam? Alguém aí já assistiu também? 

Fotos: Google Imagens

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Playlist da Semana

Oi, gente. Desculpa pela ausência aqui no blog, é que eu estou com provas e trabalhos. E até tenho bastante ideia pra posts, porém me falta tempo. Mas arranjei um minutinho pra fazer a playlist da semana, porque ela não pode faltar haha. Não sei se acontece a mesma coisa com vocês, mas eu sempre estudo com música, é como se ajudasse na concentração. Só tem uma coisa, tem que ser uma música que eu já conheça, vai entender né. Então, a playlist dessa semana está recheada de músicas antigas, que me trouxeram a nostalgia de alguns anos atrás. Então é isso, espero que vocês gostem. Prometo que quando acabar as provas, eu irei postar todo dia. Juro mesmo! Boyce Avenue feat. Diamon White - Unwritten (Cover) Sandy e Junior - Estranho Jeito de Amar Ke$ha feat. Will.i.am - Crazy Kids Jordin Sparks - Battlefield Demi Lovato - La La Land High School Musical 3 - Scream Kelly Clar

laudo de agosto.

a percepção do tempo tem sido tão desconexa. algumas coisas deixaram de existir em algum momento desse ano, mas por não saírem da cabeça, parecem nunca ter ido embora. enquanto outras, ainda duvido de que tenham acontecido há apenas oito meses.  minha mente ultimamente tem se movimentado como um pêndulo, nunca completamente certa de onde está, sempre vagando tentando encontrar um bom lugar ao sol - mesmo que não se vejam muitos lugares com algum tipo de vista -.  às vezes me percebo tão enferrujada, como quem tenta voltar à vida, mas que ainda permanece cercada por uma barreira invisível. noutros momentos, parece que ainda tem tanto pela frente, mesmo que os últimos dias tenham sido tão terrivelmente iguais.  é incrível como falta algo em todo lugar que eu vou. estou começando a achar que não são os lugares, mas eu que me fragmentei a tal ponto, que agora pareço nunca estar completa, como quebra cabeça com peças demais.  tudo está perambulando pela minha cabeça, mas nada parece ficar.

Trilha Sonora: Simplesmente Acontece

Não sei se vocês perceberam, mas eu meio que amei o filme Love, Rosie (Sim, prefiro o título original). Mesmo já tendo feito um post sobre ele , não pude deixar de comentar a Trilha Sonora.  A história se passa durante muitos anos e a música evolui com ela. Nem preciso dizer que achei esse fato fantástico. Além disso, os nomes variam entre artistas famosos como Beyoncé a outros não tão conhecidos assim, mas incríveis igualmente.  Ah, tem até composição instrumental, que super combina com os momentos das cenas. Resolvi escolher as minhas favoritas e colocar aí embaixo para vocês ouvirem e amarem tanto quanto eu estou amando (:  Algumas delas você só vai gostar mesmo se assistir o filme haha (já falei como é bom lembrar de uma cena ao ouvir uma música).  Lily Allen - Littlest Things Elliott Smith - Son of Sam Lily Allen - Fuck You Kodaline - High Hopes KT Tunstall - Suddenly I See Beyoncé - Crazy in Love G

TOP 5: Séries Que Se Passam na Praia

As férias já estão quase no final, mas ainda temos a companhia do verão por um tempinho (até dia 20 de Março). E as praias costumam ser o local favorito da galera nos dias de calor. Como eu vivo em uma cidade litorânea há 19 anos, confesso que nem dou mais tanta bola.  Mas nem eu mesma escapo dela nos dias muito quentes. Se você não mora em nenhum lugar que tenha mar (♥), não se preocupa! Fiz uma lista com 5 séries que se passam no litoral, só pra você matar a vontade fazendo maratonas :)  Desde criança, me identifiquei muito com todas elas, tirando o fato de que eu não ia a todo momento como os personagens :P Mas isso são detalhes. Bora assistir os seriados? ;) The O.C. Em The O.C., Ryan Atwood é um adolescente que passa por muitos problemas. Logo no início da série, ele é preso por causa de seu irmão, que foi pego roubando um carro. Ryan acaba sendo solto graças a um advogado do estado.  Este sente pelo garoto e o leva para viver em sua casa. O que o menino não

Os Signos dos Cantores

Música é uma das melhores coisas da minha vida e acredito que na de muita gente também. Ela está presente em diversos lugares e nas mais diversas línguas, mas na última semana ela está ainda mais em evidência aqui no Brasil. Sim, estou falando do Rock in Rio ♥  Inspirada nessa vibe musical, decidi fazer um post sobre os cantores, mas de um jeitinho diferente. Quem me conhece, sabe que eu amo astrologia e, geralmente, acho alguma semelhança entre pessoas do mesmo signo.  Então, para celebrar a minha mania de procurar o aniversário dos cantores, resolvi reunir muitos deles em um post :) Lembrando que podem existir diferenças nos perfis que eu descrevi, dependendo do ascendente e da posição das casas , okay? Agora vai lá, ler :P Áries Os arianos são conhecidos por iniciar, colocar em prática coisas que ainda não foram realizadas. E que, por esse motivo, sempre são lembrados por seus feitos.  Áries é o tempo de começos e isso fica ainda mais evidente ao observarmos

cativante cativa

entre intervalos de páginas em branco encontro títulos curiosos de filmes ou capas que cativam o meu olhar de tal forma que declaro "precisamos ser apresentados". às vezes consigo assistir logo que os conheço, mas tem horas que perco a deixa ou pior, não encontro uma maneira de conhecê-los a tempo. mesmo que o tempo não tenha uma hora certa para as coisas acontecerem. acho que não sou assim só com filmes, mas também com pessoas. os donos dos nomes que me atiçam a curiosidade ou as imagens que vejo (e crio?) de alguns humanos me dão vontade de conhecer mais. quero ver, escutar, assistir, tocar, conversar, viver. e quando não posso, me sinto frustrada. como já é de conhecimento comum, a expectativa é a mãe da roubada, mas dessa família eu infelizmente ainda não sou capaz de me desvincular. ler 2 capítulos de um livro perfeitamente interessante e ter que fechá-lo é, pra dizer o mínimo, decepcionante. não que eu não esteja acostumada a coletar decepções, - minha média é de duas p

espero que nunca.

Desde os 6 anos, sempre vi a morte perto demais. Nada de substancial me aconteceu nesta idade ou no restante dos anos em relação ao assunto, mas sempre senti que era questão de tempo, mesmo que o tempo em questão acontecesse somente dentro da minha cabeça. Assim como uma grande amiga,  não sei direito o que é intuição e o que é medo.  Frequentemente, essas duas linhas se cruzam e eu não consigo distingui-las muito bem. Pelo sim, pelo não, tento ignorar. Mas sempre imagino que aquela é a exceção da regra quase impraticável que se pratica na minha mente. Vai acontecer, eu sinto, tenho certeza. E nada de ruim acontece. Por mais que eu pense, repense e, de longe, vibre com isso. Não me leve a mal, não torço para que coisas ruins aconteçam, muito menos para que eu esteja certa, não tenho tanto apego à razão, como pudemos ver em todas as linhas acima. Eu  apenas minto para mim mesma e me acredito até que a vida se prove contrária . E para minha angústia, mas felicidade, ela sempre se prova.

ainda vejo você.

Todos os dias, entre um silêncio e outro, peço para algo ou alguém maior que eu me ajudar a te esquecer. Peço porque as lembranças chegam em horas inoportunas e porque as camadas me despertam sensações diferentes. De cores agradáveis a tons tristonhos numa fração de segundos. Estou cansada de me sentir dolorida. Me apego a fantasia de que as coisas irão mudar, de que iremos voltar a saber um do outro, mas sinceramente, não sei mais se acredito nisso. A cada dia dói mais me dar conta de que isso provavelmente não vai acontecer.  Dias se tornaram semanas e aos poucos, elas se tornam meses sem ouvir uma palavra sua. Tenho tantas coisas para te dizer que poderia encher um quarto de sílabas tônicas. Mas a minha cabeça já está começando a se esquecer de coisas básicas.  Aquelas mesmas ruas ainda me lembram você, mas eu não sei mais qual é a história que se passa aí dentro. Acho que não cheguei a saber por completo e isso me entristece novamente, como num looping perigoso em que eu não vejo