sexta-feira, 19 de maio de 2017

Me deixa ser roda gigante

Eu sou céu. Você é chão. Eu sou inconstante e mudo de opinião toda hora. Você finge que sabe o que quer. Eu te sinto perto longe. Mas volta e meia, deixo de te sentir. A distância existe de várias formas. Mas a mais dolorida é a que tem a ver com o coração. 

Talvez eu te ame do jeito de alguém que nunca experimentou um sentimento forte como este. Por falta de oportunidade, de coragem. Não sei o que se passa lá fora, muito menos o que acontece aqui dentro. 

Mas sei que a angústia tem me acompanhado. A falta de definição das coisas sempre me incomodou, mas tentei fingir que tudo estava bem. E que eu não me importava. Mas eu me importo. 

Certas coisas não mudam e a minha essência é uma delas. Eu tô cansada. De sentir, pra logo depois ter que esquecer. De sempre ter que aguardar o que vai acontecer. Eu não aguento mais não poder confiar. 

Talvez o problema esteja aqui ou talvez seja aí. Eu não faço a menor ideia. Só sei que eu cansei de tentar entender. É como aquele exercício de matemática da prova da segunda fase do vestibular mais concorrido do país. A única diferença é a de que o google dessa vez não tem a resposta. 

Ninguém tem. 

Pode ser que nem exista uma resposta. Ou talvez ela exista e esteja grudada na minha cara há mais tempo do que eu gostaria de admitir. E eu que apenas não quis enxergar o fato de que você me faz ser uma montanha-russa

Evoca o melhor e o pior de mim. E eu não sei até que ponto isso vale a pena. Chegar ao topo pra logo depois sentir o gosto amargo da queda. Da despedida. Das idas e vindas que nunca desaparecem por completo. 

Eu tô cansada da distância. E da sensação de incompletude que ela me traz quando eu penso no que podíamos ser e não somos. Eu preciso daquilo que eu não quero ter: um tempo definitivo sem você.   

Me deixa ser roda-gigante. 

Eu quero enfrentar o meu medo de altura aos poucos. Com cuidado. E enxergar tudo sob outra perspectiva.

De longe.

Texto e foto: Carol Chagas

Follow my blog with Bloglovin

Um comentário:

  1. "A falta de definição das coisas sempre me incomodou,...". Muito bem pensado, gostei.

    ResponderExcluir

Pode comentar que eu não mordo :P

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...