Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2019

Desencanto.

Ela já havia sentido, o que costumava chamar de "a grande dor". Mas ali, naquela rodoviária de uma cidade desconhecida e abandonada por multidões, Cecília sentia-se sem rumo. Seus olhos pareciam estar viciados em escoar tudo aquilo que ela não conseguia dizer em voz alta. 
Estranhos iam e viam e ela se perguntava se aquilo que ela sentia também iria passar em algum momento. Cecília não tinha perspectiva. Ela tentava encontrar paz no caos, mas a bagunça parecia grande demais. 
O mundo e suas questões a sequestravam desde pequena. Mas dessa vez, não havia uma resposta. Ela pensava no esquecimento como solução, mas a dor seria tamanha. A desistência. O atalho mais curto para o alívio poderia acabar numa rua sem saída para todos como num espiral de consequências não planejadas. 
Ela só queria ser feliz, mas isso parecia cada vez mais difícil em meio ao entorpecimento do desconhecido que havia nela. Cecília aconselhava amigos, pintava e fazia um tanto de outras coisas pra se sentir …

As ondas sempre voltam.

O tempo vinha se comportando de forma espaçada. Eu tinha controle e possibilidade de escolher quais ponteiros fariam parte de meu relógio. A cautela se transformou em medo. Receio em sair dali, onde até o meu pulso poderia ser metrificado. 
Tudo estava na mais perfeita ordem, só que não havia espaço pra vida correr solta. Nem ela, nem eu mesma. Mas eu estava segura. Nada poderia me machucar. Quem poderia prever a dor que viria de dentro? O entorpecimento. A indiferença. O esquecimento. 
Eu estava tão protegida do mundo que resolvi me desproteger pra incomodar aquele medo do que havia lá fora. Uma cachoeira com tudo aquilo que eu nunca quis ver de frente me alcançou. E presa na proteção da cautela, não tive pra onde correr. 
Eu tô completamente quebrada de dentro pra fora. Por vezes me resgato de volta. Mas logo estou paralisada novamente. É uma luta diária entre ser feliz e sobreviver. Eu costumava saltitar sem porquês e agora choro também sem motivo algum. 
Ter descontrole sobre quem é v…

VAI QUE: um estilo de vida perigoso

Toda vez que desfaço as malas ao voltar pra casa de alguma viagem, percebo algo. Sempre levo coisas demais. Blusas que não usei, livros que não li, trabalho que não fiz. Por "precaução", acabo trazendo tudo. 
O "e se" fala mais alto do que as verdadeiras probabilidades de que algo realmente aconteça ou até de minhas reais necessidades. Só que essas hipóteses que perambulam pela minha cabeça acabam de alguma forma me limitando. Porque esse "VAI QUE" está plantado em cada cantinho da minha vida. Ele acaba comigo. 
Essa caixinha de possibilidades me impede de uma porção de coisas. De escancarar a janela para o novo, abandonar aquilo que não faz mais sentido e de até mesmo me ouvir com cautela.
Às vezes me pergunto por que as coisas são como são e realmente gostaria de encontrar um sentido pra elas. Em alguns momentos, fica claro. Já em outros, é como se cada peça do quebra cabeça tivesse vindo da fábrica no tamanho errado. 
Como é que a gente vive normalmente sa…

Para se desapaixonar: Duda Beat.

Conheci em 2018 a dona do álbum "Sinto muito" e devo dizer que foi amor á primeira vista pelos seus desamores.
Dizem que é Pop, mas me parece reducionista demais classificá-la assim. Pernambucana, Duda leva o sentir em forma de prosa direto pro ouvido da gente. Ela sofre, se questiona, lamenta, relembra com bom humor seus casos. E nós sentimos tudo com ela.
Suas canções mostram uma mulher deslocada de seu tempo atual. Que se entrega demais nas relações que hoje vemos serem cada vez mais rasas. Duda conta histórias, como se estivéssemos numa mesa de bar. E devo dizer que os aspectos técnicos de suas músicas nos levam para um lugar inventado dentro dela.
Até mesmo para outra década. O que só faz a gente mergulhar ainda mais no passado. Conheci Duda por meio de Bixinho e ainda a vejo como uma das canções mais verão que já conheci. 
O ritmo acelerado nos lembra calor e energia e não só por isso, também lembra a estação como um espaço criado em que o impulso fala mais alto e a gente …