segunda-feira, 29 de junho de 2015

Sítio no Interior e Reflexão Sobre Cidades

No comecinho de Junho, viajei para Itararé (interior de SP) novamente. Eu sempre vou pra lá, até já falei um pouco sobre a cidade no Natal, mas a viagem foi um pouquinho diferente dessa vez. 
Por motivos de: Me desliguei do celular (e consequentemente da internet) pra valer, cheguei até a não levá-lo para casa dos parentes haha. Tudo para socializar um pouco mais com o pessoal que eu não vejo tão frequentemente. 
E olha, foi a melhor ideia que eu tive em muito, muito (não tenho muitas boas ideias hehe) tempo. Recomendo pra quem puder, faz toda diferença. 
Bom, além do fato de eu ter me desintoxicado desse mundo virtual, também visitei um sítio que era totalmente afastado da civilização. E nossa, que sensação boa ♥ 
Esse cavalo estava me ignorando tanto que ficou bem paradinho (de boas) na minha frente.
Na fazenda que eu fui (sim, era um fazenda de verdade!), havia muitos animais e eles eram super acostumados com pessoas, não sentiam medo da gente sabe? Não se assustavam nem um pouco com a nossa presença. Sinal de que estão sendo bem cuidados. 
O nome dessa cachorra linda é Fiona (: E não, ela não é cega de um olho. 
Bom, também havia uma plantação de trigo e confesso que (apesar das dores musculares da sedentária aqui) adorei andar por tudo aquilo. Além das fotos, fiz alguns videozinhos no lugar e estou tentada a postá-los, vamos ver se eu crio coragem haha. 

Também fotografei a praça principal da cidade (aquela que estava decorada no natal), que agora estava aguardando a festa junina, mas vou colocar as fotos no Fotografando #6. 
Plantação de trigo (:
Bom, o resumo dessa viagem só me fez perceber algo que eu já meio que sabia, mas não queria admitir: Eu gosto de cidades do interior. Adoro o fato da natureza estar ali, bem pertinho de mim, fazendo parte da minha vida. 

Eu amo viver em praia, mas confesso que não me sinto completamente feliz na minha cidade, por ela ser meio violenta. E também tem a simplicidade das pessoas que moram em cidades pequenas. As atitudes, no geral, são bem diferentes. 
Parece que elas realmente se importam com você, tem bom dia, boa tarde, boa noite e boa vontade. Lembrando que eu não estou dizendo que as cidades do interior são perfeitas, okay? É lógico que elas têm defeitos, assim como as grandes cidades possuem suas vantagens. 
O negócio é que eu não faço a menor ideia de como vai ser o meu futuro e, por mais que eu queira me mudar para um grande centro urbano e ficar lá pelos próximos 5, 10 anos (quero fazer Publicidade né, gente?), tenho vontade de gastar algum tempo da minha vida vivendo em algumas cidades interioranas do Brasil (ou até mesmo de outros países, quem sabe? haha). 
Ah é, nunca comentei isso aqui, mas eu tenho vontade de viver no máximo 4 anos em cada lugar. Sem raízes, é um pequeno sonho meu. No momento, estou aberta a milhões de opções e isso me assusta um pouquinho. 

Ainda bem que a internet funciona no mundo todo, né? O Fases de Alice está seguro <3 Bom, vou parar de blá blá e voltar a estudar, espero que vocês tenham gostado das fotos (: Até o próximo post!

Texto: Carol Chagas
Foto: Carol Chagas

terça-feira, 23 de junho de 2015

Você sabe o que é Guilty Pleasure?

Há alguns anos atrás, vi a seguinte expressão em uma série (tá, foi em Glee): Guilty Pleasure. A tradução livre explica que ela se refere a algo que você gosta, mas que não é considerada como algo legal/bacana na sociedade, fazendo com que você se sinta meio culpado/envergonhado por isso. 

Confesso que eu sou a rainha do Guilty Pleasure, gosto de tanta coisa que é considerada boba, que olha, a lista é grande. Desde cantores pop a séries consideradas ruins. O legal de esconder esses gostos da maioria das pessoas é encontrar gente que te entenda (te aceite haha) e que compartilhe a mesma paixãozinha secreta com você. 

E olha, quando isso acontece, é extremamente libertador poder ouvir (sem vergonha) aquela música que todo mundo zoa :) Pensando nisso tudo, resolvi fazer uma lista de coisas que se encaixam nessa expressão e assumir (nem que seja aqui no blog) algumas delas. Quem sabe um dia eu não assumo na vida real também? haha.

Musicais
Desde a primeira vez que assisti a um musical (foi High School Musical), descobri minha paixão por músicas em filmes. Eu sei que parece muito sem noção alguém cantar do nada em uma cena ou cantar o tempo todo, mas eu enxergo uma beleza nisso. 

A música tem o poder de nos transportar para diversos lugares e digamos que isso seja amplificado com uma história. Além disso, as coreografias e expressões geralmente ficam com a gente, mesmo depois do término do filme/peça. A paixão é tanta por musicais, que até já fiz um post sobre isso haha.

Novelas
Antes de ser fã de séries e filmes, fui fã de uma coisinha tipicamente brasileira. Minha família toda é pra lá de noveleira. Isso diminuiu nos últimos anos, mas o meu Pleasure não sumiu haha. 

Durante a minha infância, as novelas eram o "portal" existente mais presente sobre cultura. Confesso que hoje em dia não assisto tanto, por falta de tempo e por algumas delas serem bem ruinzinhas. 

Mas quando gosto de uma, sai da frente, porque eu sou aquela telespectadora que se surpreende, dá palpite no meio da cena e até pega pipoca quando a história fica muito boa. 

As minhas favoritas do momento são Sete Vidas e Malhação (Olha aí, outro Guilty Pleasure). Ah, e eu sempre sei o que está acontecendo, não me pergunte como hehe.

Horóscopo
Eu sou aquela chata que olha pra cara de alguém e diz: "Você tem cara de libra.". Eu não consigo me controlar ao ver aquelas coisas sobre personalidade de cada signo, mapa astral, ascendente, lua em X, marte em Y. 

Eu tenho muitas fases (Dã, olha o nome do blog haha), quando estou despreocupada com a vida e ocupada com outras coisas, só olho Horóscopo Mensal e Anual. Mas quando eu fico completamente ansiosa, a coisa fica feia, leio todo dia e não só de um, mas vários sites (Sim, eu sei que sou maluca). 

Eu acredito, mas não acredito. Uma parte de mim só quer olhar para me iludir quanto ao futuro. Acho que quando eu leio, tenho a vaga sensação de que estou controlando algo incontrolável. 

Britney Spears
Oh, baby baby! Eu tenho muita vergonha de gostar das músicas da Britney Bitch. No auge da minha loucura, fiz até um Tumblr dedicado especialmente a ela. Hoje em dia, não acompanho mais as músicas que saem dela, mas as antigas estão grudadas em mim que nem chiclete. 

Os 4 primeiros álbuns com canções inéditas estão favoritadas no Rdio e confesso que, adoro cantar todas elas (DON'T YOU KNOW THAT YOU'RE TOXIC) pra me animar. É tipo uma terapia e sempre dá super certo haha :P

H2O Meninas Sereias/Just Add Water
Quando criança, eu sempre fui louca por coisas sobrenaturais (confesso que ainda sou um pouquinho). Tive fases em que queria ser vampira, lobisomem, imortal, bruxa e SEREIA! A última foi a que mais durou. 

Amava o fato de 3 amigas se transformarem em sereias e ganharem poderes em que podiam controlar a água. Minha paixão pela natação surgiu daí haha. Enfim, até nos dias de hoje, quando encontro um episódio perdido no Boomerang ou na Netflix, faço uma pequena maratona pra relembrar os velhos tempos :)

Okay, agora é com vocês! Qual é o seu maior Guilty Pleasure? Me conta nos comentários.

Fotos: Google Imagens (com exceção da primeira que é minha).

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Inquietações da Madrugada

Já são quase duas da manhã. E eu já deveria estar dormindo. Mas estou aqui. Cheia de dúvidas e questionamentos. Com pulgas, carrapatos e um zoológico inteiro atrás da orelha. Cobrando dos amigos respostas de perguntas que eles não sabem como responder. Afinal, quem é que sabe? 

Por mais que o mundo diga que é preciso se arriscar em relação aos sentimentos, meus pés (bem grudadinhos no chão) não conseguem seguir tão facilmente esse conselho. Minha natureza desconfiada não deixa.  

É como se eu fosse aqueles juízes que precisam decidir se alguém é culpado ou inocente. Preciso de fatos concretos, de provas. E isso ninguém pode me dar. Então, eu fico simplesmente aqui parada. Consumida pela dúvida. Entre quem você realmente é e o que falam de você. 

Já cometi o mesmo erro e me lembro claramente de prometer a mim mesma para não ouvir mais as vozes alheias. Mas tá difícil. O medo de me machucar fala mais alto. Eu sei que é besteira, eu posso aguentar. Porém a facilidade de fugir é tão mais fácil. 

Tô com medo de pagar pra ver. E não gostar nem um pouco disso. Vai ensinar? Vai. Mas será que eu preciso aprender tanto assim? Diz que não. Já dizia Jout Jout: "O ser humano sofre com a ideia de um sofrimento futuro, por medo de sofrer, sofrendo o triplo do esperado." 

É culpa minha. Eu tenho mania de intensificar as coisas. Coloco sentimento demais em superfícies. O que faz com que a pouca profundidade transborde. Tá tudo na cabeça. A gente sofre porque na nossa mente, criamos uma história com base num parágrafo. A imaginação voa longe. 

Achei que eu já fosse capaz de controlar o que eu sinto, não me importar com as circunstâncias. Mas eu me importo. Da última vez, eu não me importava nem um pouco e também não deu certo. Por um mundo onde eu consiga confiar mais. Em mim mesma e nos outros. E consiga dormir sem dúvidas. Me importar sem receios. 

Foto: We Heart It
Texto: Carol Chagas

sexta-feira, 12 de junho de 2015

VLOG: Conselhos Amorosos

Bom, o Dia dos Namorados chegou \o/. Aguardado por uns, detestado por outros ou até mesmo sendo ignorado por boa parte da galera, a data querendo ou não, faz a gente refletir sobre antigos e novos relacionamentos.

Pensando nisso, resolvi compartilhar com vocês, algumas coisinhas que aprendi nos últimos tempos sobre o assunto. Eu não sou aquela pessoa super entendida, mas confesso que quebro alguns galhos quando dou conselhos para os amigos :)

Decidi fazer em formato de vídeo, por motivos de: faz tempo que eu não gravo e fica bem mais legal né? Espero que vocês gostem ou que sei lá, alguma dica minha ajude quem tá precisando.

Bom, como eu disse no final no vídeo, se você está com algum problema e simplesmente não tem ninguém com quem desabafar, saiba que eu ficaria honrada de ouvi-lo. 

Você pode escrever nos comentários daqui, no do youtube ou até mesmo me mandar um e-mail! Vai lá na página de Contato que você vai saber como me achar.

Se alguém aí gostou desse tipo de vídeo, me dá um joinha para eu saber se estou fazendo tudo certo ou tudo ERRADO haha. Ah, e se inscreve lá no canal pra não perder nenhum vlog :P 

Uma ótima sexta-feira pra vocês <3 

Foto: We Heart It

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Playlist para Amar ♥

Quem me conhece, sabe que eu sou apaixonada por músicas deprês. Acho que é porque eu adoro conhecer a vulnerabilidade das pessoas e, na maioria das vezes, isso transparece mais em músicas tristes e lentas do que as felizes e agitadas. 

Como os posts dessa semana são sobre o amor, decidi fazer uma Playlist que inspire quem está (ou não) sob o efeito da ocitocinaA maioria das músicas são bem antigas, mas as letras são tão verdadeiras que dá vontade de tatuar no corpo. 

Conheci muitas delas em filmes e séries e elas meio que passaram a me acompanhar na vida. Lembrando que faltaram muitas na lista, mas eu só queria escolher 8. Aí estão minhas favoritas, espero que elas te inspirem vocês tanto quanto sempre me inspiraram (:

Jimmy Eat World - Hear You Me

Ed Sheeran - Give Me Love

Amos Lee - Colors

Joan Armatrading - The Weakness in Me

James Blunt - Same Mistake

Os Paralamas do Sucesso - Aonde Quer Que Eu Vá

Chris Isaak - Wicked Game


Lady Antebellum - Need You Now
E aí já conhecia algumas delas? Meio impossível não conhecer né? haha. Qual música faltou nessa Playlist? Me apresenta!

Foto: We Heart It

segunda-feira, 8 de junho de 2015

TOP 5: Casais de Filmes

Eu particularmente não ligo para o Dia dos Namorados, já que pra mim, ele é só mais um dos dias do ano em que você pode mostrar o quanto se importa com alguém. O que acontece é que, por mais que eu não acredite em todo esse blá blá blá, foi daí que eu tirei a inspiração para os posts dessa semana. 

Passei o mês de Maio me sentindo culpada por não postar o quanto deveria por aqui, mas decidi mudar essa situação agora em Junho :) Os posts dessa semana serão sobre o amor e não sobre a data (12 de Junho) em si. 

No ano passado, fiz um post, nessa mesma época, sobre os meus casais favoritos de séries, e no de hoje, passei para os dos filmes (: Dá uma olhada nesses 5 que foram super difíceis de escolher.

Peter e Gwen - O Espetacular Homem-Aranha
Eu meio que amo esses dois. Inteligência é um negócio que cativa e nesse quesito, os dois têm de sobra. E olha, química também (tanto é que são namorados de verdade haha). O Peter e a Gwen tinham problemas, mas era legal como sempre se ajudavam, com um ótimo humor por sinal. 

Confesso que quando (alerta de spoiler - selecione o texto para terminar de ler) ela morreu, chorei junto. Os dois eram perfeitos demais (tá aí a vida pra acabar com a alegria da galera). Ainda bem que dá pra rever os filmes e matar a saudade (já que não tem continuação, né? D:).

Kat e Patrick - 10 Coisas que Eu Odeio em Você
Esse é o meu filme favorito desse gênero. A Katherine era do tipo mal-humorada que distribuía sua sinceridade para meio mundo. E o Patrick era aquele cara que todo mundo tinha medo, mas que ninguém conhecia direito. Ele foi pago para sair com ela e acabou conseguindo conquistar a garota. 

O problema é que ele também foi conquistado. O que eu mais adoro nesse casal é que os dois são tão impulsivos e desajeitados no amor, que não sabem direito como expressá-lo. Enfim, muitas das cenas dos dois são icônicas no cinema (:

Tyler e Nora - Ela dança, Eu danço
Tyler era um cara que nunca terminava algo que começava. Enquanto que Nora, passou a vida toda correndo atrás de seu sonho. Os dois tinham tudo pra dar errado, mas de alguma forma, se encontraram na dança e aprenderam um com o outro. 

Os dois tem muita química e arrasam nas coreografias. Lembrando que os atores estão juntos na vida real desde o ano em que o filme foi feito.

Tom e Sarah - Recém Casados
Esse é um dos filmes que eu mais amo assistir. O casal se conheceu, se apaixonou e logo se casou, tudo bem rápido. Porém, os dois passaram por muitos maus bocados na lua de mel (o filme todo é sobre isso). 

O que eu acho legal nesse casal é a capacidade de perdoar. Apesar de muitas diferenças e dos dois terem aprontado muito um com o outro, o amor (e o bom-humor) falaram mais alto :) 

Rose e Jack - Titanic
A Rose era super certinha e fazia absolutamente tudo que sua mãe queria, até conhecer o Jack, um cara aventureiro que se arriscava pelo que queria. Ele a inspirou a lutar pelo que fazia seu coração bater mais forte. 

Apesar de diálogos bem melosos e nonsense, acho incrível como a própria personagem, dezenas de anos depois, diz: "Ele me salvou de todas as formas que uma pessoa pode ser salva". 

Acho isso incrível, porque define a vida da maneira como ela é. Pessoas aparecem na nossa vida e sempre deixam um pouquinho delas conosco, de bom e de ruim. A gente sempre aprende com o outro, e no filme não foi diferente. 

Adoro como Jack tornou Rose mais corajosa. Pena que ele não achou outra porta para sobreviver também, né? haha (ninguém se conforma com esse final).


Bom, e aí curtiu a lista? Faltou algum casal que é seu preferido? Conta aqui!

Fotos e gifs: Google Imagens + Tumblr

sábado, 6 de junho de 2015

A Beleza do Erro

Quando eu tinha 13 anos, me apaixonei por um carinha do colégio. Na época, eu não sabia o que era tudo aquilo que eu estava sentindo (e confesso que ainda não sei quando acontece). Some essa inexperiência a quantidade de filmes de comédia romântica que eu assistia. Sim, péssima combinação. 

Me lembro de querer namorá-lo e fazer todas aquelas coisas que eu via os meus personagens favoritos fazendo. Só que havia um porém no meio disso tudo. Eu gostava dele, mas em segredo. 

Ele sabia, minha sala sabia. Mas de alguma forma, nós não chegávamos a ter uma real conversa. Não sobre o fato de gostarmos um do outro, mas sobre coisas simples como o fato de eu também adorar Coldplay. 

Um beijo aqui, outro ali. Que apenas alimentavam a minha ideia de primeiro amor, mas que no fundo, não passavam de ilusão. Eu não conhecia ele como pessoa e apenas o via como um personagem do meu próprio filme. Nada mais. 

Quando ouvi um boato sobre o que a minha paixonite falava de mim, foi como se aquele meu castelinho de cartas tivesse desmoronado. Na época, isso foi o fim do mundo pra mim. Havia arranjado todos os motivos para ouvir músicas deprês e ficar escrevendo poemas soltos sobre como o meu coração estava partido. Coisa de pré-adolescente né? Cof, Cof

Eu poderia ter simplesmente perguntado ao menino se ele realmente havia dito o que haviam me contado. Só pra tirar a história a limpo, sabe? Ou até mesmo ter questionado o porque dele ter dito. Mas não o fiz. 

Era muito para o meu pobre recém-descoberto coração de 13 anos. Eu me fechei. Não o olhava mais nos olhos, na verdade, fazia o possível para que eles não se cruzassem. Era mal-educada quando ele falava comigo. O que na minha cabeça fazia todo o sentido. Mas na dele, provavelmente não era assim. 

Eu agi que nem uma menina louca completamente sem noção. E quando ele seguiu em frente, eu apenas não conseguia mais vê-lo todos os dias. Já tinha 14 anos, mas as coisas não haviam mudado muito. 

Saí da escola. Mas o vi umas duas, três vezes depois disso. E sempre me perguntei o que poderia ter acontecido se eu tivesse apenas perguntado "Hey, fulano que gosta de Coldplay, você disse aquilo sobre mim?". Ele poderia ter dito não ou sim. Quem é que sabe? 

Mas se eu aprendi algo com isso, foi a sempre enxergar o lado bom de experiências ruins. Cada pessoa que passa pela nossa vida, deixa algo. De bom, de ruim. Cabe a você filtrar isso tudo e identificar aquilo que te ensinou algo. E é por isso que eu fiz questão de anotar. Pra não esquecer ou pra lembrar quando precisar:

1) Boca não serve apenas para beijar, converse com a pessoa por trás dela.

2) Se tem algum problema com uma pessoa, que você goste ou não, simplesmente fale com ela.

3) Se importar com o outro pode parecer fraqueza, mas te deixa mais forte a longo prazo.

4) A vida não é como um filme. E pessoas não são personagens. Viva sem rótulos e roteiros.

5) Não escute o que os outros dizem de quem você gosta, tire suas próprias conclusões, estando elas certas ou erradas.

Hoje, posso me orgulhar em dizer que não repeti nenhum dos erros acima. Cometi muitos outros haha. Acho que essa é a graça da vida. Errar muito. Aprender muito. Mas errar de modos diferentes. Sempre. 

O tempo passa muito rápido para cometermos os mesmos erros. E cá estou eu, errando como se não houvesse o amanhã. 13, 18 ou 30 anos. Ainda tem muitos enganos por vir. Mas também tem acertos. Dos mais variados tipos. É só esperar e perder o medo de errar ;) 

Ps: Ainda gosto de Coldplay.

Texto: Carol Chagas
Foto: We Heart It

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Fotografando #5

Maio foi difícil. Tive uns probleminhas de saúde (nada muito sério), mas que me fizeram prestar mais atenção em como eu trato meu corpo. Não tenho orgulho em dizer que sou sedentária e que não como coisas saudáveis.

Digamos que o mês foi dedicado a mudar alguns dos meus hábitos que não estavam me fazendo bem. Também senti que precisava mudar mais alguma coisa. Depois de tantas voltas, descobri que queria trancar a faculdade, pra valer. 

Isso tudo fez com que eu me perdesse com as postagens e até mesmo com os estudos. O lado bom desse Maio complicado foi conseguir voltar a escrever. Era algo que eu estava tendo uma certa dificuldade há algum tempo. 

Mas acho que finalmente consegui encontrar o caminho de volta até as palavras (: Que Junho seja repleto de estudo, crônicas e muita música! Okay, vamos parar com a conversa fiada e ver as fotos do mês.

Bom, o pôr-de-sol já é algo normal por aqui. Mas sério, o desse dia foi um dos mais lindos que eu já vi. Lembro até de ter ficado meio desesperada por não conseguir tirar foto, já que a câmera do meu celular não estava funcionando (D:) e a bateria da máquina estava fraquinha. Garanto que ele estava muito mais bonito ao vivo. 

Enquanto precisava ficar bem quietinha pra melhorar, decidi aproveitar um dos poucos dias de Maio que fez sol (: Não sou muito fã dele, mas o fato de simplesmente relaxar ao som de John Mayer fez com que isto deixasse de ser um sacrifício. 

Confesso que adoro essa pracinha perto de casa, mas nunca cheguei a sentar em um dos banquinhos e simplesmente ficar por lá. Aproveitei para testar meu zoom e tirei algumas fotos da sacada.

Aproveitei os dias que eu passei em casa, para gravar vídeos (: Gravei 3 vezes o mesmo assunto e confesso que ainda não achei que estava perfeito. Mas vou postar mesmo assim, aguardem!

Só eu que amo perturbar/fotografar o meu cachorro? haha. Fiz um "book" dele nesse dia, mesmo que fosse contra a vontade dele. Acontece né? Quem mandou ser fofo?

Eu adoro tudo que é simples, sem exageros. Acho que é por isso que eu me apaixonei por essa foto. Com poucos detalhes, ela faz a gente perceber o quão pequenos somos nesse mundo.  Sim, eu ~ viajo ~ demais.

As luas são tão incríveis. Cheias de fases, né? Ainda não tinha tirado foto de uma meia lua. Mas essa saiu perfeita. Só eu que fiquei imaginando o complemento dela?

Essa foto foi mais uma do dia de tomar solzinho (: Sem mais.

Fotos: Carol Chagas (com exceção da primeira).
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...